O avanço dos casos de dengue em Santa Catarina e o descaso de muitos moradores de Joinville nos cuidados para evitar a propagação do mosquito Aedes aegypti, fez com que a Prefeitura de Joinville tomasse uma medida drástica. Multar moradores que se recusam a cumprir cuidados básicos, como não deixar objetos que possam acumular água e servirem de criadouro para o mosquito. Vale lembrar que além da dengue o Aedes também transmite a febre chikungunya e zika vírus.

Na cidade, mais uma vez, a região do bairro Boa Vista é a que mais preocupa. De acordo com a coordenadora da vigilância ambiental de Joinville, Nicoli dos Anjos, desde o início do ano até a manhã desta terça-feira (15), 146 focos do mosquito Aedes aegypti foram localizados pelo órgão ambiental no bairro. “Isto preocupa muito. Em todo ano passado registramos 147 focos do Aedes no Boa Vista. Não estamos nem na metade de 2018 e já temos 146 focos. Por isso, a região é considerada infestada”, explica.

O bairro Fátima também preocupa bastante. Por lá foram 17 focos em 2017, e agora acumula 70 focos identificados, de janeiro a maio deste ano. Neste mesmo período, Joinville soma 372 focos registrados em todo o município. No ano passado foram contabilizados 292 focos. Os focos são as larvas do mosquito. Cada mosquito pode botar mais de 100 ovos por ciclo reprodutivo.

Falta conscientização

Nicoli dos Anjos, coordenadora da Vigilância Ambiental de Joinville, comenta que os trabalhos de conscientização com a população, a respeito da importância em eliminar locais que possam servir de criadouros para o mosquito tem sido frequente, mas falta consciência da população. “Nossas equipes sempre estão no bairro Boa Vista conversando e orientando os moradores, monitorando locais que possam servir de criadores. Fizemos inúmeras campanhas e mutirões – o último no dia 5 de maio. Mas, o que percebemos nas visitas é que algumas pessoas insistem em seguir com hábitos errados, se recusam a tirar os pratinhos com água debaixo das plantas, por exemplo. O que falta é conscientização”, lamenta.

A Vigilância Ambiental de Joinville monitora a situação. Várias armadilhas para o mosquito foram instaladas na cidade | Foto Secom/Prefeitura de Joinville

Apesar de alguns locais de Joinville serem considerados infestado, nenhum caso de dengue – contraído na cidade foi registrado em 2018. “Tivemos quatro casos de pessoas picadas pelo mosquito em outras cidades e ao retornarem a Joinville foram diagnosticadas com a doença. Entretanto, temos regiões do Litoral Norte com vários casos de dengue confirmado. O mosquito está por aqui, há dengue também ronda nossa região. Se o mosquito picar alguém com a doença, vai transmitir para muita gente. Por isso, todos precisamos fazer a nossa parte, combater os focos do Aedes aegypti, eliminar criadouros e frear o avanço da doença”, finaliza Nicoli dos Anjos.

Notificação e multas

Segundo a Vigilância Ambiental moradores que tiverem focos em suas residências estarão sujeitos à notificação (advertência), e em caso de reincidência poderão pagar multa que varia de 2 a 10 UPM (Unidade Padrão Municipal). Em maio cada vale está no valor de R$ 279,06.

O Aedes aegypti vive próximo ou dentro de ambientes domésticos ou de trabalho e se reproduz em locais com água parada. Por isto, é essencial manter o pátio limpo e livre de recipientes que possam acumular água.

Saiba mais:

Como Combater o Mosquito da Dengue

Para denunciar criadouro do Mosquito da Dengue