Após dua semanas do início da greve dos servidores públicos em protesto ao PL "Creche e Saúde Já" que permite a terceirização de serviços de saúde e educação, o prefeito de Florianópolis sancionou o projeto votado em caráter de urgência e aprovado na sessão extraordinária da Câmara Municipal no último sábado (21). Enquanto servidores protestavam pelas ruas do Centro contra o projeto que não passou por consulta pública o documento era encaminhado pelos parlamentares ao prefeito Gean Loureiro. "Fica instituído no âmbito do município de Florianópolis o Programa Creche e Saúde Já, com o objetivo de fomentar a descentralização de atividades e serviços desempenhados por órgãos ou entidades públicas municipais, mediante a participação de pessoas jurídicas de direito privado sem fins lucrativos, incluídas associações civis e fundações privadas de igual natureza, cujas atividades sejam dirigidas ao ensino, ao esporte, à pesquisa científica, ao desenvolvimento tecnológico, à proteção e preservação do meio ambiente, à cultura, à saúde e à assistência social", diz a redação inicial do projeto. Antes de ser encaminhado ao Executivo, o PL 14.484/2018 sofreu algumas alterações no texto que autoriza a prefeitura a contratar Organizações Sociais (OS) para a gestão de serviços de saúde e educação. Um dos artigos, impossibilitava a realização de licitações na prefeitura de Florianópolis até que os repasses financeiros para as OS fossem regularizados. Seria uma forma de priorizar a gestão das organizações sociais ao serviço público de essência. Com a alteração, o texto final ficou da seguinte forma:  “em caso de atraso por 90 dias, implicará no impedimento de firmar novos Contratos de Gestão, lançar novas licitações e pregões, e fazer qualquer tipo de investimento em atividades meio, até que se regularizem os repasses, com exceções daqueles necessários para a prestação de serviços públicos essenciais e/ou quando declarado estado de emergência e/ou calamidade pública.” Além dos servidores públicos da saúde e da educação, trabalhadores do transporte coletivo também aderiram ao movimento no final da tarde desta quarta-feira. Sintrasem e Sintraturb, os sindicatos que representam os trabalhadores, se uniram para protestar contra a decisão da Prefeitura. Uma reunião que deveria ocorrer nesta quarta-feira entre o Sintrasem e a Prefeitura para discutir a data base, que também estava na pauta de reivindicações, não ocorreu. A condição do Executivo para abrir a mesa de negociações era o fim da greve. No entanto, o encontro para discutir a pauta pode ocorrer na tarde desta quinta-feira (26). LEIA MAIS Creche e Saúde Já segue para prefeitura de Florianópolis com alterações Sintraturb adere à greve e promete parar transporte coletivo em Florianópolis Creche e Saúde Já segue para prefeitura de Florianópolis com alterações Servidores de Florianópolis decidem manter a greve Tumulto, bombas e spray de pimenta marcam sessão de sábado TJSC mantém decisão e determina que servidores voltem ao trabalho Creche e Saúde Já será votado neste sábado em Florianópolis Juiz indefere pedido de Mandado de Segurança de vereadores de Florianópolis MP recomenda suspensão de propaganda da prefeitura de Florianópolis Vídeo mostra bate boca entre vereadores na Câmara de Florianópolis Vereadores trocam acusações na Câmara de Florianópolis TJSC determina que servidores retomem serviços essenciais Projeto polêmico da Prefeitura pode ser aprovado nesta sexta-feira Servidores municipais entram em greve em Florianópolis Comcap adere à greve