Instituições e órgãos que formam a Rede de Proteção à Mulher de Joinville ressaltam que o período de isolamento social pode resultar em violência doméstica.

O desgaste emocional, o estresse e o agravamento da situação financeira causados pela reclusão decorrente da pandemia do coronavírus, podem favorecer o crescimento de outro grave problema social: a violência contra a mulher, que pode ser física, psicológica, moral, sexual ou patrimonial.

Em Joinville, embora os registros da Delegacia Civil do Estado de Santa Catarina apontem queda de denúncias, desde o mês de janeiro, autoridades e especialistas do setor acreditam que os números não reflitam a realidade.

“Houve diminuição de casos em Joinville, mas isso não quer dizer que diminuiu a violência doméstica. O que ocorre é que o isolamento social, a falta de transporte, a falta de acesso à internet e a presença do homem em casa dificultam a denúncia”, analisa a delegada titular da Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (DPCAMI), Georgia Bastos.

De acordo com a Polícia Civil de Santa Catarina, em janeiro, Joinville teve 364 denúncias de violência contra a mulher; em fevereiro, foram 338; em março, período mais severo do isolamento social, houve 317; e no mês de abril, foram 327 registros, até o dia 28.

Para a delegada Georgia Bastos, um dado interessante observado, é o crescimento do meio eletrônico para a realização de registros de boletins de ocorrência:

“Hoje, 43,5% das denúncias são feitas pela Delegacia Virtual da Polícia Civil, onde é possível fazer o boletim eletrônico 24 horas por dia. Antes da pandemia, esse número era baixo em relação à denúncia de violência doméstica”.

Segundo ela, a ampliação do uso do meio eletrônico é resultado do trabalho da Polícia Civil que tem usado as redes sociais como principal ferramenta de alcance e comunicação com a mulher vítima de violência, incentivando-a a denunciar e buscar ajuda junto aos órgãos competentes.

A preocupação com o aumento da violência contra a mulher durante o confinamento, também é compartilhada pelo Conselho Municipal dos Direitos da Mulher de Joinville (CMDM).

“Analisar apenas os números é complicado. Às vezes, pessoas da própria família são coniventes e evitam que a mulher agredida tome liberdade de fazer a denúncia. Outra preocupação, é que como a mulher está em casa não pode exercer sua atividade econômica, assim como o parceiro. Isso agrava a situação e a família toda entra em uma situação de violência”, afirma a presidente do CMDM, Quélen Beatriz Mankse.

Denúncia e pedido de ajuda

A melhor forma de defesa para a mulher agredida, é a denúncia. Embora o período de isolamento social possa favorecer a violência e dificultar o acesso a alguns canais de denúncia, é preciso que a vítima busque meios alternativos ou que peça ajuda às pessoas próximas.

E Quélen orienta: “É importante que a vítima combine com amigos e familiares, crie metodologias, uma forma simbólica de demonstrar para os vizinhos que ela está sofrendo e para que eles possam buscar ajuda, sem se identificar. Sabemos que na prática é difícil, mas sem um pedido ou um movimento, também não conseguimos ajudar”.

Já a delegada Geogia Bastos, complementa: “A mulher vitima de violência doméstica muitas vezes se sente culpada na hora de ofertar a denuncia. Toda a equipe da DPCAMI já tem conhecimento para orientar a mulher naquilo que cabe à apuração do crime, a implicações como medida protetiva, ou direcionar para outros órgãos competentes, como o Núcleo Maria da Penha, FCJ, ou a Secretaria de Assistência Social de Joinville”.

Onde denunciar

Durante o período de pandemia, alguns órgãos estão com funcionamento suspenso, mas outros mantêm profissionais em sistema de plantão e atendimento 24 horas por dia.

Além da denúncia presencial, existem vários meios eletrônicos onde pode-se fazer denúncias registrar boletins de ocorrência.

Conheça quais os principais canais de denúncia para casos de violência contra a mulher, em Joinville:

Delegacia da Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (DPCAMI) - Rua Dr. Plácido Olímpio de Oliveira, 843 – bairro Bucarein

Atendimento de segunda a sexta-feira, das 12h ás 19h. Prioridade para situações emergenciais e confecção de medida protetiva, seguindo as recomendações preventivas da saúde.

Central de Boletim de Ocorrências de Joinville - Rua Prefeito Helmuth Fallgater, 215 – bairro Boa Vista (anexo à Central de Plantão Policial e ao Instituo Geral de Perícias – IGP). Atendimento 24h

Ligue 180 – Central de Atendimento à Mulher. Registra denúncias de violações, encaminha aos órgãos competentes, dissemina informações sobre direitos da mulher, amparo legal e rede de atendimento.

Ligue 181 – Polícia Civil de Santa Catarina

Ligue 190 – Acione a Polícia Militar de Santa Catarina Peça ajuda pelo telefone 190. Nesse caso, uma viatura da Polícia Militar é enviada até o local.

App PMSC Cidadão - O aplicativo está disponível para sistemas operacionais Android e iOS, e contém o serviço Rede Catarina de Proteção à Mulher, pautado na filosofia de polícia de proximidade que busca conferir maior efetividade e celeridade às ações de proteção à mulher.

Disque 100 – Disque Direitos Humanos. Atende todas as situações de violações que ocorreram ou ainda ocorrem, até flagrantes.

Válido inclusive para denúncia de violência contra idosos, crianças e adolescentes, pessoas com deficiência e moradores de rua.

Whatsapp da Polícia Civil: (48) 98844-0011

Delegacia Virtual da Polícia Civil: É possível registrar boletim de ocorrência pelo site https://delegaciavirtual.sc.gov.br.

A Delegacia Virtual é um serviço prestado pela Polícia Civil do Estado de Santa Catarina, de registro de ocorrências disponibilizado ao Cidadão via Internet, 24horas por dia. Seu objetivo é fornecer comodidade ao cidadão no registro dos tipos de ocorrência relacionados, sem a necessidade de deslocamento até uma Delegacia de Polícia.

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram Jaraguá do Sul