Com mais de 75 mil cópias vendidas em seu livro de estreia, o jornalista Marcos Piangers conquista seguidores por discutir o papel do pai na criação dos filhos. Ao lado da esposa e também jornalista Ana Emília Cardoso, com quem tem duas filhas, Aurora e Anita, Piangers deu tom a uma narrativa diferente da que trazia dentro do programa Pretinho Básico, que apresenta na rádio Atlântida. Na próxima segunda-feira, o autor estará em Jaraguá do Sul para dividir a trajetória do “O Papai é Pop”. O que te motivou a escrever o primeiro livro “O Papai é Pop”? Foi estar escrevendo há algum tempo sobre as minhas filhas, sobre as histórias e as coisas que elas falam, eu ia anotando. Comecei a publicar em 2013 no jornal. Depois de um tempo, o pessoal da editora me ligou querendo publicar o livro e eu fiquei muito feliz, pois é como se fosse a fotografia daquele nosso momento. Eu pensei que ia vender pouco, mas pelo menos ia ficar uma fotografia para a posteridade desse momento familiar. Mas foi muito legal e bem super bem sucedido, pois vários pais se identificaram com a questão do livro, do pai mais presente, da paternidade, de aproveitar esses pequenos seres na nossa vida e aprender com eles todos os dias. O que você traz nessa segunda edição da publicação? Esse livro é como um jogo tátil, você pode brincar, pintar, desenhar, colar foto do seu filho, recortar. Os pais usam o livro para se lembrar das histórias dos filhos, virando uma plataforma de conexão. Qual foi o grande desafio de escrever sobre esses temas? O desafio foi escrever sobre a nossa intimidade, sobre nossa família, sem saber que muita gente ia ler e agora escrever para muita gente, sabendo que muita gente vai ler. O primeiro livro vendou 75 mil cópias e é a maior loucura imaginar que tem muita gente lendo. Eu sou muito mais cuidadoso com os textos e as palavras que eu uso, até as brincadeiras que eu faço. Esse é o grande desafio. É possível conciliar a vida multitarefas com a paternidade? Encontro com Fátima, Pretinho Básico, palestras, lançamento do livro, tudo isso é muito complicado de conciliar e eu sempre tento levar as meninas junto para gente não perder tempo separado, para a gente ficar junto e aproveitar a vida juntos. Então eu ainda consigo ficar muitas manhãs e noites com elas e estou me esforçando cada vez mais para continuar sendo um pai presente, independente dessa correria toda. Como é compartilhar o conteúdo do livro nas palestras? Está sendo mágico, porque eu aprendo muito. Os pais falam as suas experiências, as pessoas se emocionam, choram e eu choro junto. É mágico porque o livro tocou muita gente e as histórias do livro contadas na palestra emocionam muitas pessoas. Como decidiu e de que forma explora o tema sobre igualdade de gênero com o público? Ter duas filhas é muito importante para mim na questão de conscientização. Aconteceu com a minha mãe, ela foi abandonada pelo marido e teve que me criar sozinha. Esse tema sobre igualmente de gênero, feminismo, é muito importante para mim, pois eu não quero que aconteça com as minhas filhas o que aconteceu com minha mãe. É importante que a gente começa a enxergar a quantidade de vezes que desrespeita as mulheres no dia a dia. O que as pessoas podem esperar da palestra que acontece dia 25? Eu converso bastante sobre tudo o que aconteceu com a história do livro no último ano, falo bastante de histórias das minhas filhas, de pais que eu ouço ao redor do Brasil nessas palestras que eu venho dando, falo sobre questões das dores dos pais e como podemos estar curando elas. SERVIÇO Palestra “O Papai é Pop” de Marcos Piangers Quando: 25 de julho, às 19 horas Onde: Grande Teatro da Scar Ingressos à venda na bilheteira do Centro Cultural da Scar e pelo site da Loop Ticket 2° lote – Fileira A até D (ingresso + livro) R$ 100 (inteiro) Fileira E até Z R$ 60 (inteiro) e R$ 30 (meio) Balcão R$ 60 (inteiro) e R$ 30 (meio)