Incentivar o uso de transportes como ônibus e bicicleta é um dos objetivos do Pacto pela Mobilidade. O plano, que vem sendo elaborado pelo Instituto Jourdan, quer estimular a população a utilizar formas alternativas de locomoção, pelo menos duas vezes por semana. A Polícia Militar, CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas), representantes do projeto Calçada Legal, Sesi, Prefeitura e outras entidades estiveram reunidos na manhã de ontem (26) para discutir ações prioritárias da iniciativa. “Desde que assumi o Jourdan, no ano passado, vi que a problemática de mobilidade urbana estava crescendo e precisávamos de uma melhor ocupação da estrutura já existente, além de diversificar os modais e estimular uma mudança de atitude no cidadão”, explica o presidente da entidade, Ronaldo de Lima. As metas do pacto serão divididas em curto, médio e longo prazo nos setores privado e público. “Planejamos o oferecimento de desconto para clientes que chegarem aos estabelecimentos de bicicleta, por exemplo. Com isso também seriam construídas mais vagas para estacioná-las e vestiários em determinados pontos da cidade”, considera Lima. Para o desenvolvimento econômico, o presidente do instituto destaca que, com a diminuição do uso de automóveis, áreas destinadas para estacionamento serão liberadas nas empresas, abrindo, inclusive, a possibilidade de utilização desses terrenos para expansão dos parques fabris. Os trabalhadores reduzem os gastos com gasolina e manutenção. Infraestrutura também será avaliada No setor público é estudada a interligação das ciclovias, diferenciação de tributação e a priorização nos alvarás e licenças ambientais para empresas que investirem em práticas de transporte alternativo. “Também frisamos como benefícios do uso desses meios a melhora na qualidade de vida do cidadão e a redução na emissão de gases poluentes pelos veículos”, afirma Lima. Transporte público com menor custo também está entre as prioridades. Após a aprovação do Plano de Mobilidade e Transporte, que deve ser dada nas próximas semanas, será realizada uma pesquisa com as empresas e comerciantes para diagnosticar a real condição da mobilidade municipal, priorizando identificar de que forma as pessoas se locomovem. O passo seguinte será definir as estratégias de divulgação do pacto para a comunidade.