Confira o artigo "A força das articulações regionais na trilha da inovação", escrito pelo diplomata Juliano Alves Pinto*

"Recentemente, foi anunciada a instalação de centro global de pesquisa e desenvolvimento da empresa californiana Hyperloop Transportation Technologies na cidade de Contagem, região metropolitana de Belo Horizonte (MG). O ineditismo da vinda da Hyperloop TT ao Brasil se deve ao fato de que jamais se havia vislumbrado a possibilidade de que tecnologias de ruptura de impacto global como as que a empresa apresenta pudessem ser desenvolvidas no país.

A tecnologia hyperloop, fruto de plataforma aberta lançada pelo visionário da tecnologia Elon Musk em 2013, permite que cargas e pessoas sejam transportadas em cápsulas propulsionadas por ar comprimido através de tubos a vácuo, a velocidades superiores a 1.200 km/h, ou seja, ultrapassando a barreira do som.

Para além do impacto que uma tecnologia desse calibre pode gerar junto ao ecossistema local – sobretudo por meio da intensiva mobilização de recursos e talentos, além de se ampliar a própria capacidade de atrair centros de P&D semelhantes –, ressalte-se que a vinda da Hyperloop TT para Minas Gerais foi produto de intensa participação de atores da cena inovadora mineira, com destaque para a liderança da (FIEMG) Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais nessa complexa articulação  que trouxe, à mesma mesa, o governo de Minas Gerais, a Prefeitura de Contagem, a Fepemig (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais), bem como empresários e investidores locais, além do próprio Ministério das Relações Exteriores, por meio de seu escritório de Diplomacia da Inovação em Belo Horizonte.

Trata-se de uma abordagem típica no modelo de tripla-hélice, em que governo (em suas três esferas), indústria e academia trabalham de forma coordenada, com vistas a um propósito transformador comum. Em que pesem iniciativas positivas no âmbito federal para se atrair centros de P&D estrangeiros, encabeçadas em sua maioria pela Apex-Brasil e pelo Ministério da Indústria, do Comércio Exterior e dos Serviços, chego à conclusão de que as articulações regionais são ainda mais eficazes que as nacionais, em face da difícil missão de trazer instituições e empresas de alta tecnologia ao Brasil, competindo diretamente com países tais como China e Índia, cujas vantagens competitivas dispensam credenciais.

Após a experiência da Hyperloop TT em Minas, fica claro que, num país de dimensões continentais como o Brasil, é preciso reforçar a noção de ecossistema, em que as principais instituições e atores locais dialogam, cooperam e colaboram entre si, criando um modelo de governança da inovação capaz de prevenir problemas, antecipar soluções e garantir a sempre almejada continuidade em projetos de caráter estratégico.

Tive a imensa satisfação de contribuir para o sucesso dessa empreitada, oferecendo os bons ofícios do Itamaraty na articulação entre atores, em complemento ao esforço encabeçado pela FIEMG, além de garantir a devida agilidade na concessão de vistos a engenheiros, pesquisadores e executivos de múltiplas nacionalidades, em contato direto com embaixadas e consulados mundo afora, com destaque para o Consulado-Geral em Los Angeles. Este foi o primeiro grande resultado do projeto Diplomacia da Inovação, que tem como simples objetivo pensar e apresentar soluções rápidas e eficazes a demandas junto a parceiros no exterior, pontualmente encaminhadas pelos ecossistemas locais, sem qualquer custo ou clamor por protagonismo.

Mais importante do que tudo isso, porém, é ver que Minas Gerais, já vista como um benchmarking para o Brasil em matéria de inovação, sendo referência em startups e programas de aceleração, consegue passar uma imagem de maturidade e visão de longo prazo que ainda não encontra par no resto do país, mas que ajuda sobremaneira a que o Brasil se afirme, cada dia mais, como potência geradora de conhecimento e múltiplas oportunidades na excessivamente competitiva Nova Economia."

*Juliano Alves Pinto é graduado em Relações Internacionais pela PUC/MG e mestrando em inovação tecnológica e propriedade intelectual pela UFMG. Diplomata, lidera, desde o ano passado, o projeto “Diplomacia da Inovação”, fruto de parceria entre o Escritório do Itamaraty em Minas Gerais e a Federação das Indústrias de Minas Gerais, com o objetivo de aproximar o ecossistema de Belo Horizonte das principais praças inovadoras do mundo. Na Expoinovação 2018, de 14 a 16 de agosto, no Teatro Juarez Machado, ele apresenta a palestra: “Cultura empreendedora do Vale do Silício”.

Opinião | Como participar

Você também por mandar artigos para serem publicados no OCP News Joinville. O material precisa ter em média 2 mil caracteres, nome, idade e profissão do autor. Também é necessário enviar uma foto do autor. Os artigos devem ser enviados para o e-mail windson@ocpnews.com.br

Quer receber as notícias no WhatsApp?