Há 11 anos, Blumenau foi a primeira cidade brasileira a conceder o serviço público de esgotamento sanitário à iniciativa privada, iniciando a implantação do sistema para universalização do tratamento em todas as regiões.

Neste período, segundo a BRK Ambiental, concessionária que assumiu a responsabilidade por esse trabalho, o município ganhou destaque no ranking nacional de saneamento das 100 maiores cidades do país.

Atualmente, são mais de 400 quilômetros de redes em operação em 21 dos 35 bairros de Blumenau para coletar, afastar e tratar 19 milhões de litros de esgoto por dia.

 

“Os resultados são atestados por meio de dados acompanhados no programa de análise de córregos e rios do município, que aponta a melhoria de mais de 80% relacionada à qualidade das águas em ribeirões que já possuem, total ou parcialmente, o sistema público de esgotamento sanitário”, explica o gerente de operações da BRK Ambiental em Blumenau, Guilherme Schmidt.

 

O mais recente passo para a melhora da cobertura de esgoto sanitário em Blumenau foi o investimento na construção de mais um tanque MBBR - sigla em inglês para Reator Biológico de Leito Móvel - no sistema da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Fortaleza, que recebe a maior parte de esgoto do município.

 

“Com o início da operação dessa nova fase em março de 2021, a nova infraestrutura ampliou a capacidade atual da planta em 20% de vazão; deixando a fase inicial do tratamento com vazão ampliada de 130 litros por segundo preparada para até 316 litros por segundo, garantindo os altíssimos níveis de remoção da matéria orgânica, de até 96%”, completa Guilherme.

 

Ranking Nacional do Saneamento Básico

No Ranking Nacional do Saneamento Básico, divulgado pelo Instituto Trata Brasil em março de 2021, Blumenau ficou na 67ª posição entre as 100 cidades com melhores índices em saneamento do Brasil. Em comparação a outras cidades catarinenses de grande porte, Blumenau conquistou o primeiro lugar.

 

“Já alcançamos a marca de 46% do serviço disponibilizado à comunidade blumenauense, é um salto quando comparado ao indicador inicial que ficava em 4,5% em 2010, porém ainda distante da necessidade de uma cidade com cerca de 350 mil habitantes. Por isso, os trabalhos precisam continuar para disponibilizar a prestação do serviço para toda a cidade”, comenta Cleber Renato, diretor de contrato da BRK Ambiental em Blumenau.