O anúncio da mudança no trânsito da rua Marajó, no bairro Atiradores, em Joinville, pegou muita gente de surpresa, principalmente os moradores que vivem na rua Marajó, uma das mais afetadas com a mudança. Tem gente até que já colocou a casa a venda, depois de ficar sabendo que a via, até então pacata, agora receberá trânsito pesado, inclusive dos ônibus da Rodoviária e do transporte coletivo.

Este é o caso da aposentada Tânia Rubia de Oliveira, 62 anos. Ela é moradora da rua Marajó “há uma vida inteira”, como faz questão de destacar. Mora ali desde quando nasceu e agora está preocupada com os impactos que a decisão da Prefeitura de Joinville em modificar o trânsito vai gerar. “Eu e muitos outros moradores estamos bastante aflitos. Primeiro porque a mudança foi decidida pelos gestores sem consultar a população. Só soubemos da tal reunião, que a Prefeitura diz ter feito na Câmara de Vereadores, por uma mensagem de um amigo, por meio do WhatsApp. Ninguém foi comunicado oficialmente”, afirma a aposentada.

Um dos problemas, segundo ela, é o fato da rua Marajó ser bastante estreia. “São apenas sete metros. Se tiver dois carros passando, ou um carro e ônibus, e uma ambulância precisar passar aqui para atender a uma emergência, não será possível, porque não há acostamento na rua. Vai ser complicado”, argumenta Tânia.

Para ela e outros moradores consultados pela reportagem da Rede OCP News, uma solução seria fazer a duplicação da Ottokar Doerffel. “Podiam duplicar, sabemos que os terrenos estão indenizados. Ou então, porque a Prefeitura não instala um binário entre a rua Anita Garibaldi e Ottokar”, sugere. “Agora, estes desvios que estão fazendo aqui vão dar um nó no trânsito. A rua Marajó vai receber todo o fluxo que sai de Joinville, sentido br-101, bairro São Marcos, e que vem da zona Sul e segue para a Norte, uma vez que um trecho da Marques de Olinda funcionará em mão única”, argumenta Tânia.

O comerciante Alencar Wiese, 66 anos, também está desconfiado sobre a melhor na fluidez do trânsito, prometida pelo executivo de Joinville. “Dizem que vai melhorar, mas acho difícil”, acredita. Ele é dono de uma loja de materiais de construção que funciona nos dois lados da rua Marajó. “Nós atravessamos a rua o tempo todo, meus caminhões passam de hora em hora de um lado para outro, certamente vai causar um transtorno enorme. Tomara que funcione, mas acho difícil”, avalia o comerciante.

Vereador também questiona a medida

O vereador do PSB, Rodrigo Coelho, também acredita que o trânsito de Joinville vai piorar ainda mais com a mudança proposta pela Prefeitura de Joinville. “Os motoristas que trafegam pela Rua Ottokar Doerffel, sentido Centro-bairro, obrigatoriamente, terão que acessar a Rua Marajó para entrar na Rua Otto Parucker e Marquês de Olinda ou mesmo se dirigir em direção a BR-101. Essa alteração vai começar a valer a partir do dia 1º de junho, sem prévio diálogo com os moradores que estão apreensivos”, pontua Rodrigo Coelho.

Ele também destaca o mesmo argumento da moradora Tânia que afirma que a rua Marajó não tem estrutura adequada para receber trânsito pesado. “A rua é muito estreita, não tem ciclovia, nem calçadas e muito menos estrutura adequada para receber um trânsito tão intenso”, comenta o vereador do PSB.

O parlamentar afirma que já solicitou à Prefeitura mais detalhes sobre o estudo feito para realizar essa mudança. “Estou aguardando respostas, até porque as últimas duas alterações no trânsito de Joinville foram um desastre: nas proximidades do Mercado Público e a faixa de ônibus na avenida Procópio Gomes (Beira-Rio) no trecho da rua 9 de Março até a rua Dona Francisca”, finaliza.

E como fica?

Para quem chega à cidade pela rua Ottokar Doerffel o fluxo não mudará quase em nada, o motorista apenas ficará impedido de acessar a avenida Marques de Olinda. Após este cruzamento a Ottokar Doerffel segue em mão única no sentido bairro-Centro até a entrada do Cemitério Municipal, na rua Marajó.

Já quem vem no sentido oposto, será obrigado a entrar na rua Marajó, terá que virar esquerda na rua Otto Parucker e então à direita para acessar novamente a rua Ottokar Doerffel.

Agora quem vem da zona Sul, pela rua Gothard Kaesemodel e quer seguir para zona Norte, via avenida Marques de Olinda precisará obrigatoriamente virar à direita e entrar na Ottokar Doerffel, acessar a rua Marajó e ai, sim virar à direita novamente para seguir pela avenida Marques de Olinda.

Veja como fica o trânsito no cruzamento a partir de junho | Imagem divulgação

Contraponto | O que diz a Prefeitura de Joinville

A Prefeitura de Joinville informou, por meio de nota que, foi feita avaliação no cruzamento da Ottokar Doerffel com a Marquês de Olinda é um dos mais críticos, por isso, está tendo a mudança. Os estudos foram baseados em critérios técnicos.

A Prefeitura de Joinville entende que é natural a reclamação localizada dos moradores da rua Marajó, mas a decisão não pode ser feita embasada em uma crítica pontual. A prioridade da Prefeitura de Joinville é fazer uma mudança que visa solucionar um problema global e resolver a situação para milhares de pessoas que passam diariamente neste trecho considerado crítico. Com a mudança, as pessoas vão melhorar o tempo no deslocamento.