Hoje (27), no Dia Nacional de Combate ao Câncer, as ações se voltam especialmente para o Novembro Azul, mês de conscientização sobre o câncer de próstata, o segundo mais comum entre os homens. No Brasil, as estimativas apontam o surgimento de 66,12 casos novos a cada 100 mil pessoas do sexo masculino.

O urologista Ricardo Vieira Ferreira, que atua no Hospital São José, em Jaraguá do Sul, aponta que um dos fatores mais preocupantes da doença nos últimos anos vem sendo a incidência em pacientes cada vez mais jovens.

Segundo ele, antigamente o diagnóstico era mais comum após os 65 anos. "Agora, já temos casos aos 50, a faixa etária está diminuindo. Mas isso acontece de modo geral, e não apenas aqui na cidade", explica.

O profissional acredita que o surgimento frequente de novos casos pode estar associado à queda precoce da testosterona nos homens, relacionada ao estilo de vida, alimentação e até uso indiscriminado de medicamentos.

"A partir dos 40 anos o nível do hormônio cai naturalmente e isso coincide com o aumento da incidência do câncer de próstata, por isso é indicado fazer o exame preventivo e um acompanhamento médico", comenta.

Ferreira destaca que já é possível realizar uma modulação hormonal e uma avaliação também para repor a testosterona como uma forma de se proteger e evitar outros problemas como perda de massa muscular, memória e queda de cabelo.

Entre os fatores de risco para a doença estão a idade avançada, histórico familiar (homens cujo o pai, avô ou irmão tiveram câncer de próstata antes dos 60 anos, têm mais chances de desenvolver a doença) e sobrepeso e obesidade.

De acordo com o médico, o exame preventivo deve ser feito aos 45 anos para quem não tem histórico familiar, e aos 40 para quem tem.

"Hoje a conscientização está maior, as mulheres ajudam muito nesse processo também. Historicamente, nos países latinos os homens costumam procurar atendimento médico mais tarde. Tem pessoas com 60 anos que nunca foram ao urologista", aponta.

O diagnóstico precoce é fundamental para o tratamento da doença, principalmente porque o câncer de próstata é silencioso e não costuma ter sintomas nas primeiras fases.

Os sinais mais comuns são: dificuldade ou demora em começar e terminar de urinar, sangue e diminuição do jato de urina e necessidade de fazer xixi mais vezes durante o dia ou à noite.

Dicas de prevenção

Para prevenir, é indicado ter uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais, e com menos gordura, principalmente as de origem animal.

Nesse sentido, outros hábitos saudáveis também são recomendados, como fazer, no mínimo, 30 minutos diários de atividade física, manter o peso adequado à altura, diminuir o consumo de álcool e não fumar.

"É importante lembrar que todo mês é de prevenção, não só em novembro. Precisamos ter consciência e cuidar bem da saúde, manter uma alimentação saudável, fazer exercícios e dormir bem", completa Ferreira.

Os exames feitos para investigar os sintomas e descobrir se a doença está presente ou não são o exame de toque retal e o de PSA. No primeiro, o médico avalia tamanho, forma e textura da próstata, introduzindo o dedo protegido por uma luva lubrificada no reto.

No segundo, é um exame de sangue que mede a quantidade de uma proteína produzida pela próstata, o Antígeno Prostático Específico (PSA).

Níveis altos dessa proteína podem significar câncer, mas também doenças benignas.

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram

Facebook Messenger