Praticantes de cicloturismo de todo o país serão atraídos para conhecer os encantos naturais do Vale do Itapocu. Isto porque os municípios da microrregião estão trabalhando em sinergia para elaborar um novo circuito, especialmente para quem gosta de viajar de bicicleta, que vai mapear, sinalizar e divulgar o roteiro. O projeto está em elaboração há um ano e meio pelo Vale dos Encantos Convention & Visitors Bureau, em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo de Jaraguá do Sul e Amvali (Associação dos Municípios do Vale do Itapocu). O circuito terá o marco zero na Scar, em Jaraguá, e passará por Guaramirim, Massaranduba, Pomerode, Schroeder e Corupá. Na sua segunda fase, devem ser incluídas as cidades de Barra Velha e São João do Itaperiu. Conforme estudos técnicos, o circuito de cicloturismo terá cerca de 250 quilômetros, que devem ser feitos em cinco dias de percurso.
Equipe está levantando as informações técnicas, como atrativos, altimetria, quilometragem, distâncias entre pontos de alimentação e hospedagem, entre outros | Foto Eduardo Montecino/OCP
A presidente do Convention & Visitors Bureau, Edilma Lemanhê, explica que o primeiro passo foi realizar um estudo de viabilidade econômica e comercial do projeto, que atenda as necessidades dos ciclistas e da comunidade no entorno. “Também fomos a campo ouvir as pessoas que já participam de outros circuitos para ver quais são as demandas e como funciona”, conta. Segundo ela, no Circuito das Araucárias, entre São Bento do Sul e Campo Alegre, por exemplo, as estruturas envolvidas estão satisfeitas com os resultados. O circuito do Vale do Itapocu ficaria em uma posição privilegiada, entre o da Araucária e o Vale Europeu, sendo seu principal atrativo a diversidade de paisagens naturais. “Contamos com montanhas, cachoeiras, rios, campos e até mesmo com uma parte litorânea”, observa Edilma. Além de fortalecer a atividade turística da região, o cicloturismo irá fomentar o desenvolvimento econômico nos municípios, incentivando o setor de serviços, hotelaria e os moradores da área rural, por onde passará grande parte do trajeto. “Os produtores podem criar pequenas pousadas para receberem os ciclistas, alugar quartos, comercializar itens artesanais ou estabelecer pontos de alimentação”, exemplifica Edilma. Por ano, o Vale Europeu chega a receber 10 mil pessoas para a prática do esporte. No Brasil, existem 14 circuitos oficiais. Segundo a presidente do Convention & Visitors Bureau, os ciclistas revelaram durante pesquisa que escolhem os destinos catarinenses pela segurança e atrações diferenciadas. A região já é explorada por praticantes que percorrem algumas rotas de passeio entre os municípios. O circuito também será classificado, o nível de dificuldade pode variar entre alta e baixa complexidade. “É necessário ter essa variação, pois nem todos os ciclistas são profissionais”, comenta a diretora-executiva do Convention & Visitors Bureau, Ariane Raizer.
Circuito será classificado, o nível de dificuldade pode variar entre alta e baixa complexidade | Foto Eduardo Montecino/OCP
Levantamento técnico está sendo realizado O projeto de cicloturismo foi apresentado aos prefeitos da microrregião em novembro. A secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo de Jaraguá do Sul já vinha trabalhando junto ao Convention & Visitors Bureau na elaboração do projeto, investindo o recurso necessário para iniciar o estudo, avaliado em aproximadamente R$ 30 mil. Atualmente, uma equipe de profissionais está levantando as informações técnicas, como atrativos, altimetria, quilometragem, distâncias entre pontos de alimentação e hospedagem, entre outros. Esta fase de visitação dos locais deve seguir até janeiro. A expectativa é que em março o circuito seja lançado. Cada prefeitura ficará responsável pela instalação das placas de sinalização e manutenção, além de auxiliar na promoção do trajeto. Junto com os gastos de edição do material, impressão e divulgação, o projeto deve custar cerca de R$ 60 mil. “Com a cooperação de todas as cidades, conseguimos diminuir os custos e aumentar a visibilidade do nosso cicloturismo”, ressalta a presidente do Convention & Bureau, Edilma Lemanhê. A comunidade rural também deve receber capacitação para atender os novos turistas. A Scar será o ponto de largada do circuito, onde serão colocados novos bancos, lixeiras e pontos de distribuição dos guias. Para Edilma, a passagem por áreas urbanas também será benéfica aos ciclistas para que eles possam conhecer as cidades que recebem o traçado. Segundo o diretor de Turismo de Jaraguá do Sul, Marcelo Nasatto, o aporte inicial para o projeto é proveniente do Fundo de Turismo. De acordo com ele, o trajeto formulado deve priorizar as paisagens naturais e as vias secundárias nas cidades, com o objetivo de proporcionar maior segurança aos ciclistas. Nasatto salienta que a criação do trajeto de cicloturismo irá movimentar a atividade econômica da região, levando em conta que a maioria dos praticantes conta com um poder aquisitivo considerável. LEIA MAIS: - Projeto prevê rede de ciclovias com dez quilômetros em Massaranduba