O Ministério Público Federal (MPF) instaurou inquérito civil para apurar possível omissão da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e dos Ministérios da Educação e Economia em relação ao curso de Medicina do Campus de Araranguá.

O inquérito foi aberto pelo procurador da República em Criciúma, Fábio de Oliveira, a partir de uma manifestação do Centro Acadêmico Livre de Medicina, relatando a falta de professores e técnicos, o que estaria dificultando a continuidade do curso.

O MPF já oficiou à UFSC e ao Ministério da Educação, requisitando informações.