O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), rejeitou o pedido de Luciano Hang para enviar a investigação de empresários apoiadores de Bolsonaro à primeira instância.

Hang e outros sete empreendedores são investigados por uma troca de mensagens em um grupo de WhatsApp, na qual eles eles questionam a postura de ministros.

 

 

Em algumas dessas mensagens, afirma-se que é preferível um "golpe" do que a volta de Lula ao poder. A candidatura do petista, aliás, é tida pelos participantes como o verdadeiro golpe.

Em sua defesa, Hang argumentou que não possui foro privilegiado e que as mensagens trocadas não contêm nenhuma ameaça aos ministros.

Por esse motivo, ele alega que não há motivo para que a investigação fique nas mãos do STF, mas de um juizado de primeira instância.

Moraes, no entanto, negou o pedido e afirmou que o material colhido ainda está sendo analisado pela Polícia Federal (PF).

Empresários investigados por troca de mensagens:

Luciano Hang (Havan)

Afrânio Barreira Filho (Coco Bambu)

Ivan Wrobel (W3 Engenharia)

José Isaac Peres (Multiplan)

José Koury (Barra World Shopping)

Luiz André Tissot (Grupo Sierra)

Marco Aurélio Raymundo (Mormaii)

Meyer Joseph Nigri (Tecnisa)