Um morador de Xanxerê decidiu rifar o próprio carro para pagar os gastos do tratamento de câncer da companheira. O pintor Valdir Ribeiro colocou o carro como premiação da rifa para o tratamento de Marisete Terezinha dos Santos Ribeiro.

O sorteio aconteceu na segunda-feira (20) e foi transmitido em uma rede social de Valdir. O que ele não esperava é que o ganhador da rifa, Vinicius Moraes, disse que não ficaria com o veículo.

"O meu prazer era ganhar [a rifa] para poder devolver o carro para ele [Valdir Ribeiro]", disse o vencedor, em entrevista ao g1.

Valdir conta que o Chevette preto do ano 1978 é utilizado por ele para levar Marisete até Chapecó, onde ela faz as consultas oncológicas, quimioterapia e a radioterapia, além disso é o meio de locomoção de Valdir para o trabalho.

"Deu uma adrenalina, eu não esperava. A gente estava pronto para entregar o carro. Fiquei aliviado e alegre. Meu presente de Natal e Ano Novo tá na mão", disse o pintor.

Valdir gravou e publicou o momento da entrega do veículo.

"Eu sei porque ele fez [a rifa], sei o que ele já passou na vida. Então, o carro eu não quero. Eu vou devolver o carro. Jamais vou querer", diz Vinícius.

Foram arrecadados cerca de R$ 5 mil com a rifa, informou Valdir. Ele e Marisete vivem com a renda do trabalho autônomo dele.

Foto: Valdir Ribeiro/ Arquivo Pessoal

O valor que recebia em seu trabalho não era suficiente para manter a moradia e o tratamento de Marisete, que precisa de remédios comprados pela própria família.

Por conta disso, Valdir resolveu rifar o carro.

Descoberta da doença

Valdir conta que a companheira descobriu a doença em 2018. Marisete foi diagnosticada com câncer pélvico e no intestino grosso. O casal perdeu um filho para a mesma doença, segundo o pintor.

Foto: Valdir Ribeiro/ Arquivo Pessoal

"Ela passou por uma cirurgia para a biopsia e desde então utiliza a bolsa de colostomia", afirma o pintor.

Por fim, ele explica que o tratamento de Marisete exige muitos cuidados e que ele, que é trabalhador autônomo, não conseguia trabalhar e prestar auxílio à esposa em casa.

"Ela passa muito mal, tem ansiedade e às vezes fica muito fraca. Para não me apertar, resolvi fazer a rifa do Chevette", lembra.