A brasileira Thalita do Valle, de 39 anos, era modelo e franco-atiradora. Na semana passada, ela morreu depois que um míssil russo atingiu o bunker onde estava escondida, na cidade de Kharkiv, Ucrânia. As informações são do tablóide inglês Daily Mail.

Thalita já tinha experiência em áreas de conflito, participando de missões humanitárias ao redor do mundo e também lutou contra o Estado Islâmico no Iraque.

Ela havia se juntado às tropas ucranianas há três semanas. Além de atiradora, ela atuava como socorrista.

Segundo os outros combatentes, a brasileira foi a única integrante da tropa que ficou no bunker depois do primeiro ataque com mísseis.

A experiência de combate virou material para a rede: a modelo e franco-atiradora costumava compartilhar as suas experiência em conflitos no seu canal no YouTube, plataforma em que os seus vídeos contra o Estado Islâmico contam com mais de 32 mil visualizações.

Em outras imagens, Thalita também mostrou o treinamento de atirador de elite que recebeu quando se juntou aos Peshmergas, que são as forças militares armadas independentes do Curdistão, no Iraque.

Após receber a notícia da morte, Rodrigo Viera, irmão de Thalita, descreveu a modelo como uma heroína. Ele também ressaltou que ela tinha a vocação de salvar vidas.

A família de Thalita afirmou que a última vez que teve contato com a brasileira foi no dia 27 de junho. Na ligação, ela informou que havia se mudado para a cidade de Kharkiv.