Médico pediatra de formação, Osmar Terra é ministro do Desenvolvimento Social e veio a Jaraguá do Sul a convite da Secretaria de Educação para falar com professores, diretores, auxiliares de sala e todos os profissionais da educação municipal infantil. O foco foi o que a ciência já descobriu sobre o desenvolvimento da criança nos primeiros anos de vida. A palestra fez parte da 2ª Reunião Pedagógica da Educação Infantil.
O ministro apresentou aos mais de mil profissionais presentes no Grande Teatro da Scar estudos que evidenciam o grande desenvolvimento de neurônios e conexões nos primeiros mil dias de vida da criança e o quão importante é a interação entre a criança e seus cuidadores nesta fase da vida. “O bebê sempre procura interagir com quem cuida dele.
Se ele recebe estímulos positivos, afeto e se sente protegido, reage a eles e desenvolve mais conexões no cérebro. Se passa por grandes estresses, não se sente seguro, essas conexões são prejudicadas”, mostrou o ministro através de gráficos e vídeos que comprovaram o tema. Uma vez tendo as conexões prejudicadas nesta fase da vida, a criança nunca mais as recupera.

Sinais perigosos

Terra afirmou que adultos que são violentos já demonstraram sinais de violência ou agressividade na primeira infância e que, se isso for percebido e trabalhado na primeira infância, as chances de evitar um adulto violento são infinitamente maiores do que tentar remediar a situação já na vida adulta. Com estímulos corretos na primeira infância – fase em que o cérebro se encontra em franco desenvolvimento, afeto, segurança, interação entre pais e filhos, saúde e educação, o ministro acredita que a nação pode ser transformada.
Para isso, explicou o ministro, foi criada a partir do Marco Legal da Primeira Infância (Lei nº 13.257/2016) o Programa Criança Feliz, que consiste no acompanhamento domiciliar semanal de quatro milhões de crianças de zero a seis anos, de famílias de baixa renda.
“Com esse acompanhamento intersetorial (saúde, educação, social, cultura) queremos ver de perto e orientar as famílias sobre a importância da interação família-bebê, os cuidados com a alimentação, os estímulos que devem ser dados às crianças já nos primeiros meses de vida, os cuidados com a depressão pós-parto, a prevenção à violência contra a criança, entre outros aspectos”, detalha Terra.

Rafaela Mund falou dos espaços das infâncias

A primeira palestra da manhã ficou por conta da professora especialista em psicopedagogia e mestre em educação Rafaela Mund, que abordou o tema “Espaços das infâncias. Tem adulto aí?”, e falou da importância de os profissionais de educação infantil lembrarem das suas próprias infâncias e deixarem aflorar a criança que há dentro de todo adulto. No período da tarde é a vez de os profissionais debaterem o planejamento do centro municipal onde trabalham, no próprio ambiente de cada centro.
Com informações de Assessoria de Imprensa