A família da pequena Natália Moreira, de apenas 4 anos, pede doação de sangue e plaquetas para a menina, que realiza tratamento contra leucemia em Joinville.

Diagnosticada com a doença aos 3 anos de idade, a moradora de Jaraguá do Sul precisa realizar transfusões diárias, já que sua medula não produz sangue e seu organismo não está conseguindo reter as plaquetas.

Conforme Eliane Moreira, prima de Natália, a menina necessita dos tipos sanguíneos A- e O-. Ela explica que é possível realizar o agendamento e a doação em prol da campanha de Natália Moreira no Hemosc de qualquer cidade do estado.

Já a doação de plaquetas pode ocorrer em Joinville, Criciúma ou Florianópolis, com hora marcada. Pessoas com qualquer tipo sanguíneo podem doar.

A menina foi diagnosticada com a doença aos 3 anos | Foto: Arquivo Pessoal

"A Natália precisa de muitas plaquetas, porque o organismo dela não retém e ela está tendo hemorragias", explicou Eliane.

De acordo com ela, há uma dificuldade muito grande de conseguir plaquetas, uma vez que as pessoas não costumam doar, até por falta de conhecimento sobre o assunto.

Na doação de plaquetas, o sangue é retirado da veia como na doação de sangue convencional. No entanto, depois ele passa por um equipamento que retém parte das plaquetas e retorna para o doador, com todos os outros elementos.

Natália precisa ter uma quantidade segura de plaquetas para não ter hemorragia | Foto: Arquivo Pessoal

As plaquetas são elementos do sangue que atuam na coagulação, e são fundamentais para o tratamento de pacientes com câncer, pois eles apresentam deficiência de plaquetas, causada por transplante de medula, por ação da quimioterapia ou por alguma intervenção cirúrgica.

A prima reforça o apelo para a doação para a pequena Natália: "Ela está recebendo plaquetas diariamente, acabou de ser transfundida agora há pouco, porque ela precisa ter uma quantidade suficiente e segura para poder passar por um procedimento cirúrgico amanhã (25)".

A jaraguaense ama animais e sonha se tornar veterinária | Foto: Arquivo Pessoal

Elaine ressalta que a solidariedade das pessoas pode salvar muitas vidas. "Nenhum medicamento pode substituir o sangue. Mesmo tão avançada, a medicina não pode fazer o papel de uma pessoa. A Natália depende do amor das pessoas", afirmou.

Segundo a tia, a menina ama animais e sonha se tornar veterinária. "Nós cremos que ela irá realizar os sonhos de criança", frisou Eliane, que ainda lembrou que, assim como Natália, há outras crianças na mesma situação.

A família está à disposição de quem quiser mais informações ou sanar alguma dúvida. O contato pode ser feito com Eliane, pelo (47) 99157-2775 (WhatsApp), ou com Ana, pelo (47) 99617-6363 (WhatsApp).