A melhora significativa nos índices relativos à evolução da pandemia em Santa Catarina pautou a reunião desta quinta-feira (29) do Comitê Interinstitucional de Acompanhamento da Covid-19. O encontro foi realizado por videoconferência, sob a condução do presidente do Poder Judiciário de Santa Catarina (PJSC), desembargador Ricardo Roesler.

Na abertura dos trabalhos, Roesler destacou números da última atualização da Matriz de Risco Potencial para a Covid-19, observando que uma região de saúde do Estado já progrediu para o nível alto (cor amarela), o que representa melhora em relação aos níveis grave (laranja) e gravíssimo (vermelho).

Conforme compartilhado na apresentação, há pouco mais de 13 mil casos ativos da doença em acompanhamento em Santa Catarina, com taxa de transmissão abaixo de 1 e redução no número de óbitos. O Estado também não tem mais registro de filas de espera por leitos de UTI.

 

 

O quadro observado, avaliou Roesler, confirma o êxito do planejamento adotado para a retomada gradual das atividades presenciais desde o último dia 1º de julho. Conforme apontou o presidente, os limites impostos ao fluxo de pessoas nas unidades do Judiciário permanecem respeitados, o que garante segurança e cautela às ações de retorno.

"Esses fatores revelam a precisão do retorno gradual às atividades presenciais e o comprometimento do Poder Judiciário de Santa Catarina e todo seu corpo diretivo com a saúde dos magistrados, servidores, advogados, defensores, promotores de justiça e toda a comunidade forense", assinalou presidente do Poder Judiciário de Santa Catarina (PJSC), desembargador Ricardo Roesler.

Em complemento, a médica e diretora de Saúde do PJSC, Graciela de Oliveira Richter Schmidt, observou que o Estado atravessa uma redução gradativa dos casos ativos de Covid-19 e a consequente diminuição da ocupação dos leitos de UTI. "Com a diminuição desses números, provavelmente teremos uma melhora bastante acentuada em relação aos óbitos", pontuou.

O chefe da Casa Militar, coronel Adilson Luiz da Silva, compartilhou estatísticas relativas ao controle de acesso e ao fluxo de pessoas nas unidades judiciárias do Estado nas últimas semanas, que se manteve dentro dos limites estabelecidos pela administração. Esse controle diário do fluxo de pessoas, destacou o presidente Ricardo Roesler, é uma iniciativa pioneira do Judiciário catarinense. A estruturação do Comitê Interinstitucional, acrescentou Roesler, também é inédita e sem paralelo em qualquer esfera do Poder Judiciário no país.

Presentes no encontro, representantes do Ministério Público, da PGE/SC, da OAB/SC e da Defensoria Pública do Estado reconheceram a vanguarda protagonizada pelo Judiciário catarinense no enfrentamento da crise, bem como o papel articulador e democrático exercido pela administração perante os demais atores do sistema de justiça.

A trajetória do desembargador aposentado Nestor José da Silveira, falecido nesta quinta-feira, também foi lembrada na reunião do Comitê Interinstitucional. Sua contribuição à Justiça e dedicação à magistratura foram enaltecidas por todos os presentes no encontro. Participaram da reunião o 1º vice-presidente do PJSC, desembargador João Henrique Blasi; a corregedora-geral da Justiça, desembargadora Soraya Nunes Lins; e os desembargadores Volnei Celso Tomazini (2º vice-presidente), Salim Schead dos Santos (3º vice-presidente), Dinart Francisco Machado (corregedor-geral do Foro Extrajudicial) e Leopoldo Augusto Brüggemann (coordenador do GMF), além de juízes auxiliares da Presidência, diretores, assessores e demais representantes das instituições que integram o comitê.