A SUV (Superintendência de Vigilância em Saúde) da Secretaria de Estado da Saúde confirmou a identificação de dois casos de transmissão comunitária da variante P.1. do SARS-CoV2, conhecida como a variante amazonense da doença, em Santa Catarina.

Uma das ocorrências confirmadas pelo Lacen (Laboratório Central de Saúde Pública) na terça-feira (2) é de um paciente residente em Joinville.

Seguindo o fluxo da vigilância genômica nacional, foram encaminhadas amostras para o laboratório de referência, a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), no Rio de Janeiro.

O sequenciamento genético das amostras também identificou a variante P.1 em um paciente de Camboriú.

De acordo com a Dive (Diretoria de Vigilância Epidemiológica), as investigações conduzidas pelas equipes de vigilância em saúde das secretarias municipais de Joinville e de Camboriú apontam que os dois homens, com idades de 39 e 68 anos, não tinha registro de viagens para outras áreas do país com transmissão comunitária reconhecida da variante P.1 nos últimos 30 dias, o que caracteriza a transmissão comunitária no Estado.

Variante P.1 sequenciada pela UFSC

A equipe da Força-Tarefa Covid-19 da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) comunicou à Secretaria de Estado da Saúde que realizou sequenciamento genômico de três amostras oriundas do laboratório do Hospital Universitário.

As amostras foram recebidas no dia 22 de fevereiro e os resultados do sequenciamento foram comunicados no dia 1º de março para a Secretaria de Estado da Saúde e para a Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis.

A Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis realizou investigação epidemiológica que confirmou que os casos não tiveram histórico de viagem para outras regiões nos últimos 30 dias, o que pode caracterizar como sendo casos de transmissão comunitária.

As amostras foram encaminhadas para o Lacen, que as enviou para a Fiocruz para o sequenciamento genômico.

O resultado poderá confirmar a identificação de mais três casos de transmissão comunitária da variante P.1 do vírus SARS-CoV-2 em Santa Catarina.