A Justiça negou indenização a uma família de Joinville que não pôde comparecer a uma festa de aniversário após ter o voo cancelado.

Conforme consta nos autos, a família embarcou no dia 24 de fevereiro em Joinville, com escala no aeroporto de Congonhas (SP), para chegar a Ribeirão Preto (SP) a fim de celebrar o aniversário de familiares.

Porém houve atraso no embarque inicial, e ao chegarem ao aeroporto de Congonhas foram informados do cancelamento do voo para Ribeirão Preto.

Diante da situação, a família de Joinville alugou um carro e só chegou ao local de destino às 2h da madrugada, quando as comemorações já haviam terminado.

Na ação, a família pedia a condenação da companhia aérea ao pagamento de indenização por dano moral no valor de R$ 10 mil para cada autor, totalizando R$ 40 mil, além de indenização por dano material (R$ 1.628,69) relativo a despesas com taxas, e ao pagamento das custas processuais e honorários advocatícios.

Para afastar a responsabilidade, a companhia aérea contestou os fatos e alegou que o voo foi cancelado devido ao mau tempo. Os pedidos foram julgados improcedentes e a família entrou com recurso de apelação para tentar reformar a sentença.

Voto

Inicialmente, no voto, o relator, desembargador Rubens Schulz, registrou que as relações estabelecidas entre as partes são de consumo, portanto incidem as normas presentes no Código de Defesa do Consumidor.

Em relação ao dano material, de acordo com o conjunto de provas, a família não conseguiu "provar de maneira inequívoca" que no dia 24 de fevereiro havia uma comemoração de aniversário dos familiares.

"Em decorrência disso, não há como condenar a ré ao pagamento de indenização pelas taxas de passagens aéreas, taxa de embarque animal, aluguel de carro e pontos que foram utilizados na compra do voo", relatou.

O voto também foi no mesmo sentido em relação ao dano moral. "É que o mero atraso, sem qualquer reflexo sério e extraordinário na vida do consumidor, não pode ser alçado ao patamar de abalo moral indenizável", explicou.

O desembargador relator ainda ressaltou que não bastava apresentar uma fotografia de um aniversário e os documentos de identidade dos familiares, pois não houve prova sobre a data do evento comemorativo relatado pela família.

Segundo Schulz, a prova seria de fácil produção, como por exemplo "cópia das mensagens de áudio ou texto trocadas com familiares a respeito do evento, cópia do convite do evento, comprovante de pagamento referente aos alimentos e bebidas da festa, o que, todavia, não restou demonstrado, sendo ausente a prova do dano".

Por fim, o desembargador relator não duvida que a família tenha se incomodado com o atraso do voo, mas o fato "não seria suficiente para caracterizar o dano suscetível de reparação".