O "Julho Amarelo" é considerado o mês de combate às hepatites virais. Além disso, no dia 28, celebra-se o Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais, de conscientização sobre a doença. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que, anualmente, ocorram cerca de 1,34 milhão de óbitos associados às hepatites virais.

Em Blumenau, o panorama requer cuidado e atenção, uma vez que os casos da doença aumentaram nos últimos três anos. Em 2016, foram 88; em 2017, chegaram a 91; e no ano passado, houve 109. De janeiro a maio de 2019, já foram registrados 45 novos casos.

Assistência aos portadores da doença

O Centro Especializado em Diagnóstico, Assistência e Prevenção (Cedap) de Blumenau ajuda a garantir o diagnóstico, tratamento e acompanhamento gratuito de pacientes portadores da doença com atendimento multidisciplinar de enfermagem, farmácia e médico.

No total, existem cinco tipos de vírus da hepatite, nomeados por letras do alfabeto: A, B, C, D e E. Os mais comuns na região são os tipos A, B e C. Já em Blumenau, o tipo C é o de maior incidência, principalmente entre homens de 35 a 49 anos.

De acordo com registros do Cedap, 197 pacientes já foram tratados para hepatite C no serviço, e 16 estão em tratamento. Para hepatite B, são 105 pacientes em uso de medicação. O tipo B pode ser prevenido por meio da aplicação de vacina, que está disponível em toda a rede pública de saúde.

Saiba como prevenir

As melhores formas para prevenir a hepatite é o uso de preservativo nas relações sexuais, assim como não compartilhar materiais cortantes que ocasionem lesões que possibilitem contato com o sangue.

Exija materiais esterilizados ou descartáveis em estúdios de tatuagem e de piercings, e não compartilhe instrumentos de manicure e pedicure, lâminas de barbear, de depilar ou agulhas.

Quer receber as notícias no WhatsApp?