Por: Kamila Schneider Poucas receitas de bolo superam aquelas guardadas com carinho pela avó em um caderninho no fundo da gaveta. Nem mesmo a caligrafia apressada ou a velha mancha de leite no canto da página tiram o encanto do conhecimento e do sabor passado de geração em geração. E foi justamente das antigas receitas da avó que a jovem empreendedora Camila Bernardes, de 26 anos, tirou a inspiração de que precisava para criar seus próprios bolos. Psicóloga por formação e doceira de mão cheia, a jaraguaense encontrou na cozinha uma nova vocação e apostou na criatividade para reinventar os sabores que fizeram parte da sua infância. Desde nova, Camila sempre gostou de cozinhar, especialmente a sobremesa – de vez em quando um bolo quentinho saía do forno diretamente para a mesa da família. Por isso, quando sua mãe pediu ajuda com os doces da festa de aniversário, em setembro do ano passado, Camila não pensou duas vezes e fez questão de criar algo especial. Munida das receitas da avó Ema, a jovem empreendedora buscou inspiração em diferentes cozinhas para recriar o chamado bolo de pote. “Minha mãe queria um doce para dar de lembrança e eu fiquei pensando nas opções que poderiam funcionar. Surgiu então a ideia do bolo de pote, que montei dentro de um pequeno vidrinho para ser comido com uma colher. Fiz 60 unidades e as pessoas enlouqueceram”, conta ela, rindo, enquanto lembra da reação surpreendente dos convidados, que aprovaram a ideia. Boo de Pote - em “Como eu estava desempregada pensei que poderia ser uma boa alternativa, então montei uma página no Facebook para ver como a coisa andava”, relembra. E foi assim que surgiu a Camidoces, marca artesanal que leva o nome – e o carinho – da empreendedora jaraguaense. Além da praticidade que os bolos de pote oferecem, a proposta da marca é comercializar produtos modernos, mas com gostinho de tradição. É das galinhas que correm soltas pelo quintal da avó, por exemplo, que Camila pega os ovos que darão liga às receitas. É de lá também que vem o leite que a empreendedora usa para produzir a própria manteiga, ingrediente responsável por dar um sabor todo especial aos doces. “Temos muita coisa disponível aqui mesmo, cultivados de forma orgânica e natural. Meus avós têm uma horta enorme, cuidam das galinhas, das vacas, tudo isso faz muita diferença”, diz Camila, enquanto mostra pela janela o cuidado que os avós dedicam à vasta plantação que se estende pelo quintal. “Eles (os avós) sempre me ajudaram muito, em todos os sentidos”, comenta. Novidades e estratégias ajudam a levar a marca mais longe Para organizar a produção e coordenar as vendas, Camila conta com a ajuda da namorada, Daniela Dias, que também auxilia nas entregas para toda a região. Atualmente, os produtos da Camidoces são vendidos em três pontos de venda em Jaraguá do Sul e um em Guaramirim, mas é no serviço “delivery” que a dupla comercializa a maior parte dos produtos. “A maioria dos clientes compram para consumo próprio, principalmente mulheres. Também temos feito brindes para empresas e formaturas, com rótulo personalizado, fica um resultado bacana e o pessoal gosta muito”, descreve Daniela. Desde setembro do ano passado, a dupla já vendeu mais de 500 bolos de pote, mostrando que a ideia teve boa aceitação do mercado. Cada potinho é vendido por R$ 12, mas se o cliente retornar o vidro, que é reutilizável, ganha um descontinho. “O pessoal adora usar os vidros para enfeitar ou organizar a casa, às vezes até mandam foto”, diz Camila. A marca oferece oito sabores de bolos, entre eles cenoura com brigadeiro belga, ninho com nutella, integral de maçã e strogonoff de castanha. Em março deste ano, Camila resolveu ampliar a variedade de produtos e apostar na venda de cookies, os quais aprendeu a produzir em um curso em São Paulo, pago com o dinheiro arrecadado com a venda dos bolos. “Eu sentia que faltava uma opção de cookie artesanal e gostoso na cidade, então achei que valia a pena tentar”, conta ela. Outra receita que fez sucesso entre os clientes foi o ovo de páscoa da marca, feito com uma base de cookie e recheio de brigadeiro. “Vendemos 35 unidades e o pessoal ainda pedia mais”, comemora a empreendedora, que está sempre pensando em novos doces para surpreender os clientes. “Cozinhar é algo de que gosto muito e o feedback positivo das pessoas me trazem uma alegria muito grande, o que só me estimula a continuar”, ressalta ela.