A Secretaria de Saúde de Joinville confirmou mais dois novos casos de dengue autóctone, ou seja, contraídos dentro da cidade.

Os pacientes são uma mulher de 29 anos e um homem de 33 anos, ambos moradores do bairro Comasa, uma das regiões infestadas pelo mosquito Aedes aegypti, com 77 focos registrados desde o início do ano.

Os dois novos casos surgem exatamente semana após o diagnóstico de outros dois casos autóctones, registrados em moradores dos bairros Jarivatuba e Aventureiro.

Joinville já registra, neste ano, seis casos de dengue contraídos no município e dois importados.

De acordo com a coordenadora do Serviço de Vigilância em Saúde da SES, Nicoli dos Anjos, as transmissões estão acontecendo por descuido da população e as transmissões irão continuar, caso não sejam tomadas as medidas preventivas.

“Existe muito lixo em terrenos baldios. Nas residências é preciso ter cuidado para não acontecer acúmulo de água em qualquer recipiente. Com a proliferação dos vetores as pessoas podem ser picadas e a transmissão não vai cessar”, alerta Nicoli.

Números atualizados do Serviço em Vigilância em Saúde apontam 1240 focos positivos em Joinville, desde janeiro deste ano.

Durante o mesmo período, em 2019, eram 453 focos. Isso representa aumento de 173% no número de focos do mosquito entre os mesmos períodos, nos dois anos.

Onze bairros da cidade estão infestados pelo mosquito Aedes aegipty: Boa Vista, Bucarein, Comasa, Espinheiros, Floresta, Guanabara, Fátima, Itaum, Jardim Iririú, Jardim Sofia e Jarivatuba.

O mosquito Aedes aegypti é um dos principais vetores causadores da dengue, Zika vírus, febre Chikungunya e da febre amarela.

Os principais sintomas da dengue são febre, dor de cabeça, dor nas articulações e atrás dos olhos.

Em caso de algum sintoma da doença, a orientação é que o indivíduo procure uma Unidade Básica de Saúde (UBS).

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram

Facebook Messenger