Joinville capacita educadores para ano letivo 2018

Joinville capacita educadores para ano letivo 2018 Joinville capacita educadores para ano letivo 2018

Cotidiano

Por: OCP News Jaraguá do Sul

quinta-feira, 04:00 - 01/02/2018

OCP News Jaraguá do Sul
A Secretaria de Educação de Joinville deu na quinta-feira (1) a arrancada para o início do ano letivo de 2018 com uma ampla reunião que envolveu 4,3 mil professores e outros profissionais que integram a rede municipal e atuam em 70 Centros de Educação Infantil e 85 escolas. As capacitações continuam nesta sexta-feira (2). As aulas começam na próxima segunda-feira, (5). Durante toda manhã, todos se concentraram no Centreventos Cau Hansen para assistir palestra sobre neurociência e psicopedagogia proferida pelo neuropsicopedagogo Luiz Antônio Corrêa, doutor em psicologia. Na abertura, o secretário de Educação, Roque Mattei, destacou a importância dos professores, coordenadores, supervisores e auxiliares que colocaram a educação de Joinville como a melhor de Santa Catarina e uma das três melhores do Brasil. “Lembramos que a maior parte dos temas nesses dias que precedem o início das aulas será sobre a implantação da Base Nacional Comum Curricular. Será um ano de revisão do Plano Educacional”, disse Mattei. Durante uma hora e meia o palestrante Luiz Antônio Corrêa falou de neurociência, neurotransmissores, memória, aprendizado e traçou um retrato preocupante da educação no Brasil. Disse que, entre 36 países, o Brasil ocupa o penúltimo lugar no processo ensino-aprendizagem e os motivos são vários, que vão da dispersão em sala de aula, à valorização dos professores, renda, alimentação e família. “Se não há atenção não há aprendizado”, enfatizou. Segundo ele, a memorização do aprendizado se consolida em dois momentos: na repetição e na revisão diária. Nesse processo, a família e os professores são fundamentais. A primeira no suporte material, emocional e disciplinar. Já os professores são fundamentais no dia a dia, no respeito ao ritmo de cada criança e nos elogios. “A rigor, o aluno não gosta da matéria, e sim do professor”, resumiu. Outro fator fundamental nesse processo é a alimentação e relação direta entre pobreza e aprendizado. “Crianças que se alimentam bem são bons alunos pela presença de elementos fundamentais no cérebro que são o oxigênio e glicose na liberação dos neurotransmissores”, pontuou. *Com informações da prefeitura de Joinville
×