Em quatro meses de 2021, o número de focos do mosquito Aedes aegypti em Jaraguá do Sul é três vezes maior que os focos encontrados em todo o ano passado. O mosquito pode transmitir a dengue, chikungunya, zika e febre amarela, doenças graves que podem matar.

“Esse mosquito vem se adaptando cada vez mais ao ambiente urbano, sendo resistente até à areia colocada nos pratinhos de vasos de plantas, adaptou-se a bromélias, plantas aquáticas internas, entre outros ambientes. Precisamos urgentemente mudar hábitos de cultivo de plantas e eliminar objetos que acumulam água para evitar que o mosquito se reproduza ainda mais”, alerta a supervisora do Controle de Zoonoses da Secretaria de Saúde, Aline Borba Monteiro.

Os bairros com maior número de focos são o Centro (92 focos), Vila Nova (38 focos) e Ilha da Figueira (21 focos).

Os focos são larvas do mosquito da dengue encontradas tanto em pratinhos de vasos de plantas, ralos sem uso, tampinhas de garrafa quanto em armadilhas instaladas pela equipe de Zoonoses.

A cada foco encontrado, a equipe delimita um raio de 300 metros e visita todos os imóveis dentro dele, alertando sobre a presença dos focos e orientando sobre os cuidados para evitar a proliferação do mosquito.

No caso de imóveis fechados, os agentes de endemias deixam uma solicitação de agendamento para visita posterior, conforme disponibilidade do morador, explica Aline.

Foto: Prefeitura de Jaraguá do Sul.

 

Dificuldades encontradas

Os agentes de endemias enfrentam muita resistência da população para mudanças de hábitos ou cuidados a serem tomados.

“Muitos ignoram, outros acreditam não haver situação de risco em seu imóvel. Alguns não respeitam o trabalho sério dos agentes e recusam recebê-los. A maioria diz fazer o que se orienta, porém, no retorno, o ambiente está pior do que na visita inicial”, lamenta a supervisora do programa.

Diante da quantidade de focos existentes, o número de agentes de endemias não é suficiente para as mais de 50 mil visitas que estão sendo feitas. A colaboração de cada morador é imprescindível para combater o mosquito da dengue. Atualmente o Programa de Controle de Zoonoses conta com 17 agentes de campo para as visitas.

 

 

Número de focos do mosquito da dengue por bairro

Água Verde - 3
Amizade - 5
Barra do Rio Cerro - 0
Centenário - 7
Centro - 92
Czerniewicz - 12
Estrada Nova - 18
Chico de Paulo - 17
Ilha da Figueira - 21
Jaraguá 84 - 0
Jaraguá 99 - 0
Jaraguá Esquerdo - 4
João Pessoa - 1
Nereu Ramos - 3
Nova Brasília - 12
Rau - 0
Ribeirão Cavalo - 0
Rio Cerro I - 2
Rio Cerro II - 0
Rio da Luz - 0
Rio Molha - 2
Santa Luzia - 0
Santo Antônio - 1
São Luís - 3
Tifa Monos - 0
Tifa Martins - 10
Três Rios do Norte - 1
Três Rios do Sul - 2
Vieira - 6
Vila Baependi - 16
Vila Lalau - 8
Vila Lenzi - 15
Vila Nova - 38
Total - 301

 

Cuidados a serem tomados dentro e fora de casa:

-Tampe os tonéis e caixas d’água;
-Mantenha as calhas sempre limpas;
-Deixe garrafas sempre viradas com a boca para baixo;
-Mantenha lixeiras bem tampadas;
-Deixe ralos limpos e com aplicação de tela;
-Limpe semanalmente ou preencha pratos de vasos de plantas com areia;
-Limpe com escova ou bucha os potes de água para animais;
-Retire água acumulada na área de serviço, atrás da máquina de lavar roupa.
-Cubra e realize manutenção periódica de áreas de piscinas e fontes ornamentais;
-Limpe ralos e canaletas externas;
-Atenção com bromélias e outras plantas que podem acumular água;
-Deixe lonas usadas para cobrir objetos bem esticadas, para evitar formação de poças d’água;
-Pneus devem ser mantidos em local coberto.

Para denúncias de possíveis criadouros do mosquito: Ouvidoria SUS - 0800-642-0136

 

Fonte: Prefeitura de Jaraguá do Sul.