A investigação sobre as possíveis fraudes na aquisição de 200 respiradores, ao custo de R$ 33 milhões, pelo Governo de Santa Catarina, foi pauta no quadro “Cadê o dinheiro que tava aqui?”, do programa Fantástico, da Rede Globo.

O quadro destacou a Operação 02 (oxigênio), realizada na manhã de ontem, resultado de uma força-tarefa composta pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) e pela Polícia Civil.

O Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO) e a Diretoria Estadual de Investigações Criminais (DEIC) cumpriram 35 mandados de busca e apreensão e sequestro de bens em mais três estados: Rio de Janeiro, São Paulo e Mato Grosso.

Manifestação

A empresa responsável pela distribuição dos respiradores, pagos sem processo licitatório e de forma antecipada, emitiu nota informando que a carga deve chegar ao Brasil nesta segunda-feira.


O Governo de SC também emitiu nota ressaltando que instaurou uma sindicância em 22 de abril e que afastou preventivamente servidores "para garantir a transparência e lisura nas investigações".

O até então secretário da Casa Civil, Douglas Borba, e Helton Zeferino, que respondia pela pasta da Saúde, pediram exoneração.

Representantes, do Ministério Público e do Tribunal de Contas, que já vinha investigando a situação, também foram entrevistados.

O quadro mostrou outras investigações e fraudes já constatadas em outros estados, envolvendo também respiradores e até a compra de máscaras.

Chefe do MPSC, Fernando da Silva Comin, concedeu entrevista

Segundo o MPSC, as investigações, até o momento, identificaram fraude no processo de aquisição dos respiradores, mediante um sofisticado esquema criminoso que envolveu a corrupção de agentes públicos, falsidade ideológica em documentos oficiais, criação de empresas de fachada administradas por interpostas pessoas e lavagem de dinheiro.