Por Ana Paula Gonçalves A data deste sábado (15) marca exatamente três anos da assinatura do contrato que prevê a duplicação do trecho urbano da BR-280, em Guaramirim. São aproximadamente 9,5 quilômetros entre o acesso à Rodovia do Arroz e a ponte no limite com Jaraguá do Sul. A obra estadual está prevista no Pacto por Santa Catarina, mas a ordem de serviço para iniciar a obra ainda não foi assinada. Para a região, a duplicação é considerada de suma importância para solucionar um dos maiores gargalos de mobilidade urbana. O projeto prevê, além das duas pistas, a construção de elevados, marginais e passarelas. O comandante do Corpo de Bombeiros Voluntários de Guaramirim, Maicon Rodrigo Ewald, considera que duplicação é necessária por uma questão de segurança. De 1º de janeiro de 2016 até a última quarta-feira (12) foram relacionados 198 acidentes envolvendo veículos naquele trecho, conforme registros dos bombeiros e Samu. Uma média de duas ocorrências por dia. “Porém, muitas não chegam até nós”, revela o comandante. Ewald observa que os números eram maiores, mas melhorias de sinalização, colocação de redutores e fiscalização por radar auxiliaram na diminuição dos índices. “Quanto mais melhorias tivermos, mais estrutura para evitar acidentes teremos”, enfatiza. A moradora Graziele Ruan, que trabalha em uma clínica situada paralelamente à rotatória de acesso a Massaranduba, afirma que não existe trecho seguro para que o pedestre possa atravessar a rodovia. “Costumo comprar o lanche da tarde todos os dias na verdureira, do outro lado, e sempre procuro atravessar na rotatória, onde os veículos devem reduzir a velocidade. Mesmo assim, é perigoso”, garante. Graziele Br 280 duplicaçao - em No momento em que Graziele era entrevistada, foi necessário subir na parte mais alta adjacente ao acostamento, porque, devido ao intenso fluxo de veículos por volta das 13 horas, muitos automóveis cortavam a fila utilizando a margem da via. Para Graziele, o elevado é uma obra importante no local. “Na clínica onde trabalho, quando marcamos consulta para às 18h, sabemos que o cliente vai atrasar, porque o trânsito fica muito congestionado aqui”, ressalta ela, acrescentando que já presenciou muitos acidentes no entorno. O motorista Asmarildo Marcarini, que passa pelo trecho diariamente, considera que o elevado e a duplicação dariam um alívio no tráfego. “Costumo cortar caminho, porque passar por aqui no horário de pico é péssimo”, destaca. Para a proprietária de uma empresa localizada no Km 55 da rodovia, Zenaide Terezinha da Silva, a obra é extremamente necessária para o bom andamento do trânsito. Entretanto, é o grande número de acidentes o que mais a preocupa. “Durante a semana, são muitas ocorrências, algumas viram estatísticas, outras não, já que muitas vezes os danos são materiais e as pessoas acabam indo embora sem notificar a polícia. Até prestar socorro é complicado, porque vira um caos isso aqui”, destaca a comerciante, que se estabeleceu no local há quatro anos. Segundo Terezinha, pelo menos três vezes ao dia — cedo pela manhã, ao meio-dia e no início da noite — o engarrafamento é grande. “A tendência é sempre piorar o trânsito aqui porque cada vez tem mais carros na estrada. E quando tem acidente para tudo”, diz. O valor de execução da obra estava previsto em R$ 85,8 milhões quando foi licitada pelo Governo do Estado em 2014. Entretanto, o valor precisará ser reajustado com base no Índices de Reajustamentos de Obras Rodoviárias. O Estado não possui cálculo do valor atualizado. A obra deve ser conduzida pelo Consórcio Infrasul, Coneville e Setor Sul, de Joinville. Estado promete assinar ordem de serviço “nos próximos dias” Sem dar previsão exata sobre o início da obra, o Governo do Estado disse em nota que “nos próximos dias será dada a ordem de serviço para a construção de um elevado no trecho urbano da BR-280”. Pelo projeto, o viaduto deverá ser construído na rotatória que dá acesso a Massaranduba. A Secretaria de Estado da Infraestrutura não deu mais detalhes sobre a garantia de recursos para a obra ou atualização de valores, já que a licitação aconteceu há três anos. graficoo Conforme o secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável e deputado licenciado, Carlos Chiodini, prefeitos da região, empresários e representantes de entidades estão se mobilizando para viabilizar a obra. A duplicação é considerada como prioridade para Chiodini. “Nos próximos dias, terei um encontro com o governador (Raimundo Colombo) para tratar da viabilização de recursos na ordem de R$ 100 milhões. O projeto está pronto, com licenças ambientais e, como será na faixa de domínio, não há necessidade de indenizações”, garante. O secretário de Estado da Saúde e também deputado pela região, Vicente Caropreso, buscou informações a respeito da assinatura da ordem de serviço para construção do viaduto. Conforme revelou, “secretário (Luiz Fernando) Vampiro (Infraestrutura) me disse que teria uma reunião com o governador para definir a data para início da obra na próxima segunda-feira (17), mas essa reunião foi cancelada e uma nova data ainda não foi definida”, apontou.