Profissionais da segurança pública envolvendo integrantes do Instituto Geral de Perícias e das polícias Civil e Militar fizeram uma ação diferente na noite desta quinta-feira (26), em Palhoça, na Grande Florianópolis. Em vez de prisões ou operações ostensivas, os agentes se reuniram com o intuito de identificar os moradores e oferecer acolhimento. A Prefeitura também participou da operação por meio meio da Secretaria de Assistência Social. A operações ocorreu das 20h às 23h nas praças Sete de Setembro, Central, das Bandeiras, Ponte do Imaurim e Caminho Novo. Pelo menos 28 moradores de rua foram identificados - sendo 24 homens e quatro mulheres. Segundo o IGP, os agentes coletaram impressões digitais e fizeram registro fotográfico. A equipe da assistência social fez encaminhamentos e orientação, pois alguns tem residência em outros municípios. O objetivo, segundo o IGP, é ajudar os moradores de rua para que retornem à suas famílias. Até agora, 83 pessoas em situação de rua já foram identificadas. Com a coleta de informações, afirma o órgão, os moradores de rua recebem a carteira de identidade. "A identificação dessas pessoas vai muito além de um serviço preventivo no que diz respeito à segurança pública. Para muitos deles, se trata de uma nova chance", divulgou o IGP.