Há três anos, caminhada faz parte da vida de Gelázio e Adelina Capestrini | Foto Eduardo Montecino/OCP News
Há três anos, caminhada faz parte da vida de Gelázio e Adelina Capestrini | Foto Eduardo Montecino/OCP News

Chegar na terceira idade pode ser um momento difícil para muitas pessoas, mas existem avôs e avós jaraguaenses que enxergam a experiência como uma oportunidade de explorar novos caminhos, aliando a alegria com o bem-estar.

Os cuidados com atividades físicas e alimentação, além de manter uma vida social ativa, são as principais atitudes para um envelhecimento saudável, tanto na parte física quanto mental.

Na quinta-feira (21), Gelázio Campestrini, 66 anos, acordou cedo, colocou uma roupa para praticar esportes e foi para o Parque Malwee com uma vontade insaciável de fazer exercícios físicos. Ao seu lado, estava a esposa, Adelina da Costa Campestrini, 61 anos.

Gelázio sempre teve uma vida associada ao esporte, praticando futebol por no mínimo três vezes por semana. Porém, a idade foi chegando e ele precisou encontrar outra maneira de manter a saúde em dia. "Minha esposa começou a praticar ginastica e caminhada e eu fui acompanhando ela", comenta.

Adelina conta que é difícil convencer idosos a irem à academia ou se dedicarem a caminhar e se exercitar regularmente, mas quando essas atividades mantêm contato com amigos, é mais fácil eles se empolgarem.

"Eu não acordaria para correr sozinha, mas para caminhar com meu marido eu fico mais disposta", relata.

Ter uma vida sadia vai além de apenas se exercitar com amigos, a alimentação é um ponto fundamental para evitar doenças, que, às vezes, acabam minando o mental dos idosos. Adelina diz que eles têm diminuído o consumo de sal, açúcar e gordura saturada.

"Começamos a melhorar a alimentação nos últimos anos, em contrapartida tem jovens que já estão se cuidando", avalia.

Ginástica, natureza e alegria

Nos dias atuais, imagens como bengala, quietude e cadeira de balanço não vem mais retratando a vida dos idosos. Para Elza Melchioretto, o segredo para envelhecer com saúde é encontrar o equilíbrio entre o corpo e a mente.

Aos 75 anos, ela não dispensa uma boa diversão, pelo contrário, está sempre se reunindo com amigos de longa data e fazendo novas amizades. "Essa convivência me ajuda a ficar ativa e alegre, senão eu estaria com depressão", afirma.

Elza (E) participou da Colonia de Férias da Terceira idade nessa semana | Foto Renan Reitz/OCP News

Mas as amizades podem ter um resultado reverso. Elza diz que existem muitas pessoas se reunindo e ficando em casa, sentadas em um sofá, apenas conversando e só se movimentando para mudar de cômodo.

Manter o contato com a natureza, vendo a beleza das árvores e flores ao barulho dos pássaros, é outra coisa que melhora os dias de Elza.

Para ela, não existe nada melhor do que levantar da cama e apreciar ficar em um espaço rodeado de verde. "Sempre gostei de cultivar as obras da natureza. Isso me traz um conforto pessoal",

Elza costuma fazer suas caminhadas na companhia da natureza e amigas | Foto Renan Reitz/OCP News

A idosa trabalhou a vida inteira como empregada doméstica, então sempre se manteve na ativa, mas há cinco anos dores nas costas e pernas começaram lhe afetar.

Na busca por se conectar com um mundo novo, ela começou a participar do Clube de Idosos de Jaraguá do Sul há três anos e foi nele que se apaixonou pelos exercícios.

"Fazer ginástica é incrível, desde que comecei a praticar me sinto mais disposta, alegre e afim de viver a vida”, confessa.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?