O homem que recebeu o primeiro transplante de braço duplo completo do mundo contou como foi a experiência que está devolvendo a sua vida de volta. Felix Gretarsson, de 49 anos, foi eletrocutado enquanto tentava consertar um cabo de força na Islândia e acabou perdendo os membros superiores. O acidente aconteceu há 23 anos.

Segundo o The Mirror, Felix trabalhava como eletricista e, no dia 12 de janeiro de 1998, foi encaminhado para consertar um cabo de força, porém durante o conserto ele tocou no fio errado e acabou sofrendo uma queda. Além de fraturas nas costas em três lugares e fraturar o pescoço, seus braços pegaram fogo.

O processo de recuperação foi longo, Felix ficou 3 meses em como e teve que ser submetido a 54 cirurgias, entre elas a amputação dos braços.

“Eles operaram 54 vezes. Inicialmente, eles me amputaram logo acima do cotovelo, mas eu sempre tinha infecções, então eles estavam cortando um pouco mais e mais e tentando salvar alguma coisa”, explicou Felix.

Porém, quando saiu do coma Felix enfrentou outros grandes problemas, ele começou a abusar de bebidas e drogas para lidar com a situação, acabou perdendo o emprego, a namorada e gastou todo o dinheiro da indenização. Por abusar do álcool, Felix precisou de um transplante de fígado e foi quando percebeu que a reabilitação seria a melhor escolha no momento.

“Esse foi o meu momento de clareza e as coisas mudaram e eu fui para uma reabilitação e me recompus. Comecei a encarar o fato de que, de alguma forma, terei de conviver com essa deficiência – simplesmente não estava lidando com nada. Daí a minha vida foi para cima, comprei uma pequena empresa, um apartamento, um carro que eu pudesse dirigir com os pés e comecei a ficar bom”, contou.

No ano de 2007, quando já tinha vencido a dependência química, Flexi voltou a acreditar na possibilidade de recuperar os braços quando viu na TV um anúncio para uma palestra do cirurgião Jean-Michel Dubernard, que havia realizado o primeiro transplante de mão com sucesso.

Durante esse tempo ele foi até o hotel onde o médico estava hospedado e conversou sobre a possibilidade de transplantes de braço completo. Diante do interesse do especialista, Felix resolveu mudar de país e passou a viver Lyon, na França, onde, inclusive, conheceu sua esposa enquanto aguardava um doador.

“Eu tinha recebido telefonemas antes que tínhamos um doador em potencial, mas quando se tratava de fazer a família aceitar, eles sempre recusavam. A decepção de saber que iam enterrar esses braços no chão para apodrecer em vez de dá-los a você me deixava arrasado”,

Foto: Reprodução/Felix Gretarsson/SWNS.COM)

Em janeiro deste ano, depois de 23 anos do acidente, ele foi submetido à operação que durou cerca de 15 horas. Agora, seis meses depois e após ter feito centenas de horas de reabilitação, finalmente, Felix pode mover os dois braços e está lutando para conseguir movimentar também as mãos.

“A sensação nos nervos pode ser um pouco dolorosa quando crescem. Estou movendo o cotovelo na água, meu bíceps agora está funcionando. Estou tão esperançoso de ser capaz de mover minhas mãos também, o que ninguém esperava, exceto eu,” diz Felix.