Das dificuldades da pandemia à geração de oportunidade. Foi com objetivo de melhorar a condição de imigrantes durante o isolamento social, que o Projeto Esperançar capacitou haitianos e venezuelanos a criarem um negócio próprio.

Por meio de aulas virtuais, a parceria entre a Cáritas Regional Santa Catarina, a de Criciúma e a Organização Mundial de Imigração (OIM) oportunizou a criação de um empreendimento que irá prestar serviços de jardinagem e limpeza em geral.

A entrega dos equipamentos para o início dos trabalhos ocorre nesta quarta-feira, às 14h, na Paróquia Santa Bárbara.

Ao todo, 40 imigrantes participaram de cursos sobre Economia Popular Solidária no ano passado. A proposta partiu dos próprios alunos ao final da capacitação.

Na região de Criciúma, o grupo se divide em duas frentes de trabalho: uma com limpeza em geral de casas, prédios, muros, lojas e comércio e, outra, com serviços de jardinagem, como poda e plantio.

Segundo o presidente da Cáritas Diocesana, padre Wilson Buss, a ideia foi articular ações que promovam a solidariedade entre as famílias dos imigrantes.

“O Projeto Esperançar veio para gerar essa solidariedade em tempos de dificuldade”, declarou.