A crise do Coronavírus impactou diversos setores da economia. Uma das principais preocupações dos negócios e lideranças é saber o que esperar do mundo pós-pandemia. Trazendo muita incerteza para o ambiente de trabalho, quando falamos nas expectativas para o futuro, a única certeza é que profissionais e companhias precisam se acostumar com o inesperado. Carolina Valle Schrubbe, fundadora da Quare Desenvolvimento, empresa especialista em desenvolvimento de líderes e times, esclarece que a liderança está cada vez mais complexa, e não há perspectiva de os negócios voltarem a ser como eram antes. “Aquele ‘novo normal’, sobre o qual tanto se fala, simplesmente não existe. Portanto, não gaste sua energia tentando encontrá-lo”, aconselha.

Carolina alerta para os que buscam uma realidade estática, a partir da qual possam planejar seus atos, que esse novo momento pode causar muita confusão. “O momento é dinâmico, é de mudança e movimentos constantes. Com a mentalidade e abordagem certas, o período que vivemos pode ser visto como uma oportunidade de construir uma maneira ainda melhor de trabalho. E para que isso aconteça é primordial haver uma liderança presente e forte”, informa.

Prova disso, uma pesquisa realizada com os líderes acompanhados pela GCG – Global Coach Group em 2020, identificou três habilidades essenciais para fazer com que as empresas prosperem em um mundo durante e pós Covid-19, sendo elas: resiliência, compaixão e comunicação envolvente. A pesquisa revela que a verdadeira resiliência organizacional começa com líderes construindo um “eu” mais forte, observa Carolina. “A resiliência do líder se reflete em maior preparo em face do inesperado e de dificuldades prolongadas”.

A especialista reforça que da mesma forma que uma companhia aérea, em seus procedimentos de emergência, instruem os passageiros a colocar suas próprias máscaras de oxigênio antes de ajudar os outros, é essencial que os líderes se fortaleçam primeiro para poderem ajudar seus times. “Um líder resiliente influencia diretamente a resiliência de seu time, como um efeito dominó. É através da compaixão que líderes constroem um ‘nós’ mais forte, construindo relacionamentos significativos individualmente e com o grupo”, lembra Carolina.

Equipes resilientes são mais motivadas

A pesquisa mostra que as equipes resilientes são 51% mais motivadas, 40% mais entusiasmadas com seu trabalho e 36% mais satisfeitas em suas funções. Além disso, equipes resilientes possuem também 35% mais energia, 30% menor intenção de rotatividade e estão 26% mais confiantes com seu trabalho.

“Ter compaixão em nosso contexto, significa que você não foge da dificuldade, não é oprimido por isso, e está lá para apoiar os demais. É fazer o que for preciso para apoiar sua equipe. Ao fazer isso, o líder cria um ambiente de trabalho saudável que proporciona estabilidade e faz com que as pessoas se sintam seguras. É apenas quando os colaboradores se sentem seguros que se dispõem a assumir riscos, falar livremente, encontrar e sugerir caminhos para a solução de problemas. E durante tempos difíceis, quando organizações inteiras precisam fazer grandes adaptações, percebe-se o quanto a compaixão é importante para gerar segurança nos times”, comenta.

Carolina explica que para que a resiliência e a compaixão sejam amplamente aplicadas, é preciso uma terceira habilidade, a comunicação envolvente, capaz de gerar engajamento. “Engajar as pessoas por meio da comunicação é a habilidade central que permite um líder colocar em prática todas as suas outras habilidades. Um líder pode passar a vida inteira desenvolvendo habilidades. Mas, se não for capaz de utilizar essas habilidades para o benefício de sua equipe, não há valor”.

Por fim, a especialista revela que bons líderes que sabem transmitir uma mensagem clara, assertivos e atenciosos nas medidas certas, são capazes de influenciar os indivíduos por meio de sua clareza de visão e envolver toda a equipe. “Ao desenvolver suas habilidades de comunicação, o líder está preparando as bases para tudo para se encaixar”.

Resiliência, compaixão e engajamento por meio de comunicação são habilidades decisivas para líderes, independente do porte da empresa em que atuem. Importante também considerar o quão desafiador é desenvolver e aplicar essas três habilidades. “Desta forma, encontrar e investir em processos de desenvolvimento que desafiem e ao mesmo tempo ofereçam suporte aos líderes, é o caminho para a sustentabilidade e o sucesso das organizações”, conclui a fundadora da Quare Negócios.

Sobre a QUARE Organizações

Sediada em Blumenau (SC), a QUARE Organizações tem como objetivo contribuir de maneira financeira e humana para o desenvolvimento de empresas e geração de negócios. Fundada por empresários com grande experiência de mercado, pode atender empresas de pequeno a grande porte em todo o Brasil e no exterior. Saiba mais em: https://quareorg.com

 

Receba as notícias de Blumenau e região pelo WhatsApp clicando aqui.