A Guarda Municipal de Joinville, unidade operacional da Seprot (Secretaria de Proteção Civil e Segurança Pública), trabalha na segurança do retorno às aulas da rede municipal de ensino, na quarta-feira (6). Os guardas vão trabalhar em pontos estratégicos, priorizando as escolas com o maior número de alunos e com mais ocorrências registradas.

Ao todo, a unidade atende 86 colégios do município e concentra dois terços do dia de trabalho para estes atendimentos. A expectativa do gerente da Guarda Municipal, Sérgio Afonso de Souza, é de conseguir um reforço no efetivo para ampliar o atendimento.

Atualmente, a unidade conta com 37 guardas municipais que atuam em todos os turnos, das 6h30 às 22h30, divididos em quatro guarnições de trabalho por turno, além de plantões durante a madrugada.

Os guardas trabalham na segurança das escolas do município, acompanhando entradas e saídas dos alunos. O auxílio na mediação de conflitos, a participação em eventos temáticos e na reunião das APP’s e conselhos escolares também integram as atribuições.

Ainda fornecem o primeiro apoio em caso de depredação do patrimônio público de escolas, ou em qualquer caso de violência no contexto escolar. A unidade também faz rondas em pontos turísticos e de grande circulação de pessoas, como terminais de ônibus e praças.

Escola Cidadã

Além de garantir a segurança, a Guarda Municipal desenvolve o projeto Escola Cidadã, projeto que promove palestras para alunos, pais e professores, além de atividades extracurriculares para os alunos.

Em 2018, o projeto Escola Cidadã alcançou 2.500 pessoas. Para este ano, o objetivo é triplicar este número e alcançar 7.500 pessoas com as ações. Para alcançar este objetivo, segundo o gerente da Guarda Municipal, Sérgio Afonso de Souza, as equipes serão rearranjadas de modo a produzirem mais palestras.

As ações têm o objetivo de conscientizar a comunidade escolar sobre temas direcionados às dificuldades identificadas nas unidades de ensino atendidas e promover a cidadania.

“Temos três eixos principais para trabalhar nas palestras neste ano, que são o Cumprimento de Normas, Bullying e Cyberbullying e Drogas Ilícitas”, informa Souza.

As ações do projeto se concentram no contato com as administrações das escolas para programar as atividades durante o ano. Em 2018, o projeto desenvolveu atividades esportivas, culturais, recreativas, de lazer, qualificação e inserção profissional, desenvolvidas no contraturno escolar, com alunos de 6 a 16 anos de idade.

*Com informações de assessoria de imprensa

Quer receber as notícias no WhatsApp?