A pouco mais de uma semana de terminar o prazo para o cadastramento de instituições interessadas em participar do processo eleitoral que escolherá seus novos integrantes, o Grupo Pró-Babitonga (GPB) se reuniu nesta terça-feira (10) na sede do MPF (Ministério Público Federal) em Joinville, para tratar da eleição marcada para 8 de maio e de uma pauta de assuntos diversos. De acordo com o edital que trata da eleição, as inscrições estão abertas até o próximo dia 20, sexta-feira. O processo definirá quem serão os integrantes do GPB para a gestão 2018/2020. O GPB, que tem apoio do MPF é um colegiado que tem representantes dos segmentos socioambiental, socioeconômico e público dos municípios do entorno da Baía Babitonga (Araquari, Balneário Barra do Sul, Garuva, Itapoá, Joinville e São Francisco do Sul) e dos governos estadual e federal. A missão do Grupo é contribuir para a gestão participativa e integrada do Ecossistema Babitonga, buscando conciliar o desenvolvimento econômico com a conservação ambiental. A eleição e a posse serão realizadas no dia 8 de maio no Ministério Público Federal em Joinville. O edital com todas as informações para o cadastramento das instituições está disponível. Para ter acesso basta clicar aqui. "O Grupo Pró-Babitonga é um colegiado formado para contribuir para o aprimoramento da gestão ambiental da região e nele tem recebido especial atenção temas como a reabertura do Canal do Linguado e a integração entre os órgãos municipais do entorno. Há perspectiva de recursos para projetos definidos pelo GPB, e a participação de novas entidades é muito bem-vinda", observa o procurador da república Tiago Alzuguir Gutierrez, do MPF em Joinville. Na reunião desta terça-feira o GPB discutiu a possibilidade de contratação de um estudo para diagnóstico da situação dos diferentes órgãos envolvidos na fiscalização ambiental, como Ibama, Marinha (federais), IMA/Fatma (estadual) e os municipais da região da Babitonga. Outro tema tratado foi como o Grupo poderia contribuir para a implementação do Projeto Orla, uma iniciativa no âmbito do Governo Federal que objetiva a gestão adequada da orla marítima para disciplinar de maneira integrada e participativa o uso e ocupação do território na tentativa de melhorar a qualidade de vida de populações locais e de preservar e conservar os ecossistemas costeiros. Na reunião desta terça-feira o GPB discutiu a possibilidade de contratação de um estudo para diagnóstico da situação dos diferentes órgãos envolvidos na fiscalização ambiental, como Ibama, Marinha (federais), IMA/Fatma (estadual) e os municipais da região da Babitonga. Outro tema tratado foi como o Grupo poderia contribuir para a implementação do Projeto Orla, uma iniciativa no âmbito do Governo Federal que objetiva a gestão adequada da orla marítima para disciplinar de maneira integrada e participativa o uso e ocupação do território na tentativa de melhorar a qualidade de vida de populações locais e de preservar e conservar os ecossistemas costeiros. *Com informações de assessoria de imprensa