O governo do estado decretou estado de emergência por 180 dias nas cidades de Barra Velha, Bombinhas e Navegantes por conta das áreas afetadas pela ressaca no mês de setembro e outubro. A decisão foi publicada no Diário Oficial do Estado do dia 27 de outubro. Agora, é necessário esperar para que o governo federal reconheça o decreto para liberar recursos para as cidades. Barra Velha decretou estado de emergência em 29 de setembro. No município houve o desabamento de encostas, das vias que dão acesso às praias, ruas e passeios públicos. O acesso para a foz do rio Itapocu, ponto turístico do local, também foram impedidos. Cinco praias foram atingidas. Em Bombinhas 15 mil pessoas foram afetadas. A prefeitura decretou emergência em 12 de outubro. Os bairros de Bombas e Mariscal tiveram erosão costeira e atingiram patrimônios privados e públicos, como passarelas de acesso para as praias e postos salva-vidas. Decretado estado de emergência em 17 de setembro, em Navegantes os danos foram principalmente no bairro Gravatá, afetando a estrutura do deck e da ciclovia, nas rampas de acesso, na avenida, nos postos salva-vidas e na iluminação pública. Em Florianópolis, que também foi atingida pela ressaca, a preocupação é com o turismo e com o comércio no fim de ano. O avanço do mar sobre a praia também diminuiu a faixa de areia. Um exemplo é Canasvieiras, um bairro e praia do local, onde o acesso está prejudicado e estruturas de restaurantes foram destruídas. O Ministério da Integração já liberou mais de R$ 900 mil para a prefeitura da cidade fazer a recuperação das praias. De acordo com a Defesa Civil do município, em 45 dias tudo deve estar pronto para a chegada do verão.