Frio faz aumentar procura por atendimento nos postos e hospitais

Fotos: Eduardo Montecino/OCP Online Fotos: Eduardo Montecino/OCP Online

Cotidiano

Por: OCP News Jaraguá do Sul

terça-feira, 04:00 - 14/06/2016

OCP News Jaraguá do Sul
O alerta está lançado. As quedas drásticas de temperatura registradas nas últimas semanas colocam em risco a saúde da população e é preciso estar atentos aos sintomas relacionados às doenças respiratórias. Em Jaraguá do Sul, a chegada da massa de ar polar, há pouco mais de uma semana, reflete na movimentação das duas unidades de Pronto Atendimento Médico e Ambulatorial (Pama) e nos hospitais São José e Jaraguá. Ontem pela manhã, o Pama do Czerniewski mantinha fluxo contínuo de pessoas, em sua maioria com problemas diretamente associados a diminuição da temperatura. A enfermeira responsável Joana Oreano confirma aumento de 50% dos atendimentos, principalmente idosos e crianças com problemas respiratórios. Existe uma média diária de 100 fichas para consultas clínicas, em que 50 são para adultos e 50 de pediatria. A dona de casa Leni Equitéria Quevedo, 49 anos, do bairro Três Rios do Norte, estava com expressão cansada à espera de atendimento na unidade. “Tenho labirintite, tontura e rinite alérgica, que sempre atacam no inverno. De um mês para cá, já estive consultando aqui três vezes por causa disso. Com esse frio, esses problemas aumentaram mais ainda”, afirma ela, desanimada. No Pama da Barra do Rio Cerro a situação é um pouco mais amena, mas mesmo assim existe corrida à unidade. Segundo a técnica de enfermagem Juliana Aman, são disponibilizadas 30 consultas pela manhã e 30 à tarde. “Nas últimas duas semanas, a procura aumentou em 40%”, constata. A demanda maior, atesta, é de crianças, cerca de 60%, e os 40% restantes de idosos. Fiana Kamchen e Marya Eduarda - em

Fiama Kamchen levou a filha Marya Eduarda, de três anos, para PSD Infantil do Jaraguá

Movimento nos hospitais No Hospital e Maternidade Jaraguá, especializado em pediatria, a média tem sido de 120 crianças atendidas por dia. Antes desse período, os atendimentos oscilavam de 80 a 100 diários, afirma a coordenadora do Pronto Socorro Infantil, enfermeira Taís Gregol. “Mesmo assim, com média de 120 crianças, não tivemos um aumento significativo para junho. Com o frio, as pessoas ficam mais em casa, se protegem”, opina Taís. Fiama Kamchen, 23 anos, veio de Nereu Ramos com a filha Marya Eduarda, de três anos, que teve convulsão provocada por choque térmico, depois de sair do banho. Prostrada no colo da mãe, a menina chegou a ter 38,5°C de febre. A dona de casa contou que trouxe a filha para fazer exames e se tratar. “O atendimento é muito bom, não tenho do que reclamar”, garante ela, enquanto aguardava a consulta de Marya Eduarda. A coordenadora de internações do Hospital e Maternidade São José, enfermeira Fábia Regina Schaefer, afirma que, por causa da queda brusca de temperatura, o número de idosos com doenças agravadas pelo frio “cresceu em 10%, com uma média de 25 idosos a mais do que no ano passado”. Fábia enfatiza que as pessoas com idade avançada correm sério risco precisam buscar atendimento rápido. “Faz tempo que a cidade e a região não têm um frio desses nessa época. O número de pacientes idosos deve aumentar ainda mais no inverno, que deve chegar ‘rasgado’ esse ano”, completa.
Arte: OCP Online
Arte: OCP Online
×