O combate à violência contra a mulher ganha reforço na região Sul com a implementação da Frente Parlamentar de Mulheres da Amrec. Formada por 22 vereadoras dos 12 municípios da Associação, o grupo une forças com entidades de diferentes segmentos na busca por soluções para a situação.

Nesta quarta-feira, representantes da Frente Parlamentar estiveram na Unesc em encontro com a reitora Luciane Bisognin Ceretta entendendo o convite para participação ativa da Universidade no projeto.

A proposta foi recebida com entusiasmo pela reitora, que reforçou a necessidade de acolhimento adequado para mulheres que sofrem de algum tipo de violência. Conforme Luciane, na experiência já adquirida pelos atendimentos de saúde da Instituição é possível perceber a demanda por esse tipo de serviço.

"Os casos chegam até nós de diferentes formas, mas não temos dúvidas de que essa é só a ponta do iceberg. Temos muito mais casos represados e aqui certamente é um lugar no qual vocês encontrarão apoio. Enquanto mulher e reitora é meu dever dizer que a Universidade está à disposição para colaborar em tudo o que for possível", destacou no encontro com as vereadoras Carla Souza, de Içara; Maria Luiza Da Rolt, de Cocal do Sul; Marilda Casagrande, de Forquilhinha e Giovana Mondardo, de Criciúma.

Conforme Giovana, a necessidade de pensar em medidas de proteção para as mulheres se comprova com os números que apontam que no último ano foram distribuídas 220 medidas protetivas em Criciúma.

"Em 2021, de janeiro a abril, já tínhamos 77 casos. Outro número que chama atenção é o de que 48,8% das mulheres já sofreram algum tipo de violência doméstica no passado, ou seja, é uma realidade que está, sem dúvidas, entre todas nós e precisa ser mudada", afirmou.

Além da Universidade, o grupo já apresentou a proposta para a própria Associação de Municípios, assim como ao Ministério Público, e pretende levar a pauta para ainda mais organizações. Entre os pleitos da Frente está a criação de um espaço físico de acolhimento com a possibilidade de que seja no formato nacional de Casa da Mulher Brasileira ou em diferente configuração, a ser definida a partir de debates e pesquisas para que seja encontrada a solução que traga maior benefício para as vítimas.

Fruto do encontro com a reitora estiveram ainda novas ideias como o envolvimento do Núcleo de Empreendedorismo da Universidade com foco na colocação das mulheres atendidas no mercado de trabalho, além da participação da Residência Multiprofissional em Saúde Mental como apoio nos atendimentos e da consultoria da Unesc para um momento de planejamento estratégico do projeto.