O número de focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como dengue e febre amarela, quase dobrou de acordo com comparativo apresentado pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive/SC) neste mês de abril.

Conforme o boletim 07/2018, entre 31 de dezembro e 14 de abril de 2018, foram identificados 8.054 focos do mosquito em 137 municípios. Nesse mesmo período em 2017, o total chegou a 4.987 focos em 117 municípios. O número de focos de 2018 é 61,5% maior quando comparado ao mesmo período do ano de 2017.

Entre os 69 municípios considerados infestados pelo mosquito Aedes aegypti no Estado estão Joinville, Balneário Camboriú, Itajaí e Penha. O número representa um incremento de 27,8% em relação ao mesmo período de 2017, que registrou 54 municípios nessa condição.

Em comparação ao último boletim, houve a inclusão dos municípios de Irati e Riqueza como infestados. A definição de infestação é dada de acordo com a disseminação e manutenção dos focos.

A dengue no Estado

No período de 31 de dezembro de 2017 a 14 de abril de 2018, foram notificados 734 casos de dengue em Santa Catarina. Desses, 13 (4%) foram confirmados (todos pelo critério laboratorial), 30 (2%) estão inconclusivos (classificação utilizada no Sinan para os casos que, após 60 dias da data de notificação, ainda não tiveram sua investigação encerrada), 568 (77%) foram descartados por apresentarem resultado negativo para dengue e 123 (17%) estão sob investigação pelos municípios.

Do total de casos confirmados até o momento, sete são autóctones (transmissão dentro do Estado), todos residentes no município de Itapema, e quatro são importados (transmissão fora do Estado).

*Com informações do Boletim Dive/SC