Na última terça-feira (16), empresários dos setores têxtil, confecção, couro e calçados de Santa Catarina, se reuniram a convite da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), no Sindicato das Indústrias de Fiação, Tecelagem e Vestuário de Blumenau (Sintex), para discutirem e analisarem necessidades e melhorias aos setores.

Representando a Fiesc, o presidente da Câmara de Desenvolvimento da Indústria Têxtil, Confecção, Couro e Calçados, Giuliano Donini, informou que a Câmara está realizando reuniões em diversos pólos têxteis do Estado. “Neste ano o foco é reconhecer como o setor organiza as prioridades para depois estabelecer e oficializar um representante de cada polo. Em 2022 formar um grupo de trabalho e realizar uma agenda comum entre todos os polos para integrar todas as regionais”.

“Os objetivos da Câmara da Indústria Têxtil, Confecção Couro e Calçados são a defesa dos interesse dos setores, monitoramento das leis que impactam os setores, fomentar a integração da cadeia dos setores para aumentos de competitividade, refletir sobre o design da estratégia dos negócios da área, gestão orientada e baseada sempre em dados e estatísticas e colaborar com projetos estratégicos para os setores”, informou.

Os empresários têxteis da região destacaram alguns tópicos de melhoria para o setor como diminuição da carga tributária, acordos e aliança entre os países, competitividade e redução de custos para crescimento do setor e da exportação, produtos com maior valor agregado, mão de obra qualificada, investimento em tecnologia, política de inovação e alinhamento das exigências para mercado interno e externo.

Dados do setor têxtil no Vale do Itajaí

Inicialmente, Donini apresentou o perfil do setor têxtil da região do Vale do Itajaí e a análise de emprego do setor têxtil, confecção, couro e calçados de 2019 até o momento. O presidente reforçou que o setor foi afetado principalmente nos primeiros meses da pandemia do Coronavírus, de março a julho de 2020, em que a produção foi paralisada e muitas empresas precisaram cortar custos.

“Contudo, fechamos o primeiro semestre de 2021 com saldo positivo em Santa Catarina no quesito de criação de novos postos de trabalho no setor têxtil, com mais de 180 mil trabalhadores no Estado, sendo cerca de 55 mil no Vale do Itajaí e mais de 23 mil concentrados em Blumenau”.

Exportação e importação do setor

De acordo com o Ministério da Economia, os principais produtos exportados em 2020 por Santa Catarina são preparos de couros de bovinos e equinos, artigos de pano, fitas de fios ou fibras, produtos e artefatos de matérias têxteis, roupas de cama e toucador de cozinha. Já o Vale do Itajaí exportou produtos e artefatos de matérias têxteis, roupas de cama e toucador de cozinha, ternos, conjuntos, casacos, vestidos e saias de malha, femininos, tecidos de malha com largura superior a 30cm e outros tecidos de malha. Blumenau se destacou na exportação de roupas de cama e toucador de cozinha, tecidos de fios de filamentos sintéticos, ternos, conjuntos, casacos, vestidos e saias de malha, femininos e camisetas de malha.

No quesito de importação, Santa Catarina se destacou em fios de fibras sintéticas descontínuas, fios de fibras artificiais descontínuas, tecidos de fios de filamentos sintéticos, outros artigos de pano e tecidos artificiais. Vale do Itajaí importou fios de fibras sintéticas descontínuas, veludos e pelúcias de malha, fios de fibras artificiais descontínuas, conjuntos, casacos, vestidos e saias femininas, roupas de cama e toucador de cozinha. Já Blumenau se destacou importando conjuntos, casacos, vestidos e saias femininas, ternos, conjuntos e calções, masculinos, cortinados e cortinas, fios de fibras artificiais descontínuas e tecidos de fios de filamentos sintéticos.