Em uma volta pelo centro de Jaraguá do Sul, não é raro avistar um motorista distraído mexendo no celular enquanto circula pelas vias. A cena, que já nem surpreende mais, pode parecer normal para muitas pessoas, mas tem se tornado um motivo de preocupação cada vez maior na cidade – segundo estimativas da Polícia Militar, por aqui 80% dos acidentes são causados pela falta de atenção no volante e este ano já passa de 30 o número de vítimas fatais do trânsito no município. Para tentar mudar este cenário, o poder público, as polícias militar e civil e mais de 30 organizações não governamentais se uniram para criar a campanha “A vida adverte: respeite o trânsito”, que tem como objetivo chamar a atenção dos motoristas sobre os perigos da falta de atenção no trânsito. A campanha será realizada nos meses de novembro e dezembro deste ano, esta é a primeira ação a integrar o programa “Trânsito + Seguro”, lançado na manhã de ontem (3), no Centro Empresarial. Com mais de 50 peças publicitárias, a campanha utilizará diferentes ferramentas de mídia para impactar a população, levando informações relevantes e alertas sobre o tema. A ação tem como inspiração o trabalho realizado pelo Ministério da Saúde nas embalagens de cigarro e traz imagens marcantes de acidentes para chamar a atenção dos motoristas. impru Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, divulgados durante a coletiva de imprensa, o uso do celular ao volante aumenta em 400% o risco de acidentes de trânsito. Além disso, pesquisas indicam que uma ligação de cinco segundos no trânsito, com o carro a 60 quilômetros por hora, equivale a percorrer 83 metros às cegas, e digitar apenas um número no aparelho aumenta em mais de 12 vezes o perigo de acidente. De acordo com o comandante do 14º Batalhão da Polícia Militar, Rogério Vonk, além do programa educativo, a intenção do Comitê de Trânsito (formado pelas entidades citadas anteriormente) é ampliar a busca por dados junto à Secretaria de Saúde e aos hospitais para estudar os fatores que colaboram para os altos índices de mortes no trânsito. “Observamos que as pessoas em geral são muito desatentas, é um problema cultural, que não ocorre só aqui, mas é grave na região. Claro que o grande número de veículos também ajuda, mas isso não é justificativa, pois temos cidades como Blumenau que possuem o dobro do tamanho e um índice muito mais baixo. O número de acidentes causados por falhas no veículo também é pequeno, menos de 10%. A maior parte está realmente relacionada ao ser humano e ao não cumprimento de regras”, avalia Vonk. Ação permanente para melhorar índices No ano passado, Jaraguá do Sul registrou 3.407 acidentes de trânsito, sendo que 934 deles com pessoas feridas ou mortas. Conforme dados apresentados pela Prefeitura, anualmente são gastos R$ 25 milhões com despesas decorrentes de acidentes de trânsito no município. Uma estimativa feita pela Secretaria de Educação mostrou que, com este valor, seria possível subsidiar os estudos de cerca de quatro mil alunos no ensino fundamental por um ano. Em média, três pessoas são feridas em acidentes de trânsito por dia na cidade. “Sempre tivemos ações relevantes no município, mas de forma isolada. Agora, com o programa permanente, juntamos forças para renovar os trabalhos constantemente. É uma verdadeira cruzada pela vida”, afirma o coordenador do Comitê de Trânsito, Rolf Teske. Segundo ele, os acidentes de trânsito já são considerados pela OMS uma epidemia mundial – estimativa é de que, no ritmo atual, seriam registradas quase dois milhões de mortes anualmente no mundo até 2020. Para tentar reverter o cenário, a ONU definiu o período de 2011 a 2020 como a “Década de ações para a segurança no trânsito”. “Mais do que evoluir em fiscalização, temos que evoluir em educação. Este é o objetivo. E quem sabe futuramente podemos nos tornar um exemplo para toda SC”, salienta Teske. Em 2017, o programa deverá realizar seis campanhas, uma a cada 60 dias, sendo que cada uma terá uma temática diferenciada. “Para a próxima campanha ainda estamos avaliando o melhor tema, então não há nada definido, mas pensamos na possibilidade de abordar a questão dos motociclistas, já que está crescendo de forma violenta o número de acidentes graves com este público”, avalia Teske. Só na última semana dois motociclistas foram vítimas do trânsito no município. Conforme a PM, os acidentes são a principal causa de morte de jovens entre 15 e 29 anos na região.