Foto: Eduardo Montecino/OCP Online
Foto: Eduardo Montecino/OCP Online
As comunidades dos bairros Rau e Amizade que residem no entorno da ponte que ligará as localidades estão convidadas a participar da confraternização que ocorre sábado (12), das 14h às 18h, na cabeceira da Ponte Desembargador Mário Rau, como será chamada oficialmente a Ponte do Rau. O evento foi batizado de “A Ponte é Sua”. A obra, apontada como a maior estrutura edificada em Jaraguá do Sul, será aberta à circulação de veículos no dia 16 de março, às 17h30, durante a solenidade que tem a presença confirmada do governador Raimundo Colombo.
A atividade terá brinquedos infláveis, pintura facial para a criançada, atividades culturais, esportivas e recreativas. Também haverá atividades de alongamento, aula de zumba, orientações sobre saúde, distribuição de mudas de árvores, exposição do Programa de Educação e Valorização da Água (Proeva) do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae) e competições.
A ponte Rau-Amizade, em processo de finalização, foi iniciada em junho de 2014 e soma 3.230 metros quadrados (170 metros de comprimento por 19 metros de largura), com três pilares de sustentação, quatro pistas para veículos, dois passeios e ciclovias nos dois lados da ponte. Foram destinados em torno de R$ 8,3 milhões, mais R$ 3 milhões aos acessos.
O prefeito de Jaraguá do Sul, Dieter Janssen, explica que a ideia da integração surgiu para permitir que as duas comunidades possam conferir os detalhes da obra, antes que o trânsito entre os bairros passe a fluir. “É uma entrega e uma integração, vai permitir que as famílias dos dois lados se conheçam um pouco. Estamos muito contentes. Mesmo em ano de crise, com dificuldades na receita e pagando dívidas, entregar uma obra desse vulto é motivo de orgulho, de alegria”, afirma.
A servente Iracema Nicolluzzi, 65 anos, que trabalha no Centro de Educação Infantil Anélia Karsten, no Rau, e ontem monitorava a travessia da ponte com os alunos, aprova a obra. “Vai facilitar para os professores e alunos que vem do Amizade e até do Santa Luzia, porque vão economizar quatro quilômetros”, observa.
A mesma opinião tem o caminhoneiro fretista Jairo Zamboni, 41 anos, morador da Rua Luciano Zapella, no Rau. “Comprei essa casa em 2000 e estou esperando essa ponte há 16 anos”, diz. “Trabalho com frete e não vou mais precisar passar pelo Centro quando for para Joinville, Schroeder e outras cidades”, complementa.
O aposentado Valdir Manske, 65 anos, morador da Rua Bruno Fridel, ontem passeava com a neta Lara pelo lado do Amizade. “Acho uma coisa boa. Vai desafogar bastante a fila [de veículos] de quem vem e vai do Rau, Chico de Paulo e Estrada Nova”, opina.