A dependência financeira, muitas vezes, faz com que mulheres permaneçam em um relacionamento abusivo. Um projeto, idealizado por uma estudante de Joinville, busca gerar oportunidades de renda às vítimas de violência doméstica, para contribuir com a autonomia dessas mulheres.

O projeto Todos por Elas, idealizado pela estudante Maria Alice Machado, de 16 anos, pretende oferecer capacitação a essas mulheres, em diferentes áreas de atuação. Também deve ser criado um canal no Youtube, com pequenos vídeos de aperfeiçoamento pessoal em diferentes áreas de interesse.

A ideia começou com um projeto que o Colégio Positivo desenvolveu na Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (Dpcami) de Joinville, que envolvia alunos e professores com o objetivo de humanizar os espaços da delegacia, com doação de livros e de quadros feitos pelos alunos.

Workshop

Uma nova etapa da iniciativa ocorre neste sábado (24), no Colégio Positivo, com a realização de um workshop organizado por estudantes e professores. As atividades oferecerão oficina de culinária, estética pessoal, bem-estar pessoal, RH, entre outros, para mulheres que passaram por situações de violência.

“Após a realização deste evento, os alunos iniciam a busca de parceiros da comunidade para realizar a emancipação das vítimas de violência doméstica, propiciando um treinamento e, após essa ação, alcançar nossa principal meta: a realocação dessas mulheres no mercado de trabalho”, conta o professor tutor do programa, Cincler Tibes.

A expectativa é atender 20 mulheres neste sábado.

O projeto

Os alunos do Ensino Médio participam do projeto desde a escolha da linha de atuação, geração de ideias, planejamento, busca de solução para os desafios e execução das ações.

“Com isso, também queremos desenvolver o senso crítico dos alunos, que precisam estar em sintonia não só com a própria realidade, mas também com a realidade da comunidade na qual eles estão inseridos, além de contribuir para uma prática de inclusão social, de formação da cidadania e emancipação dos sujeitos sociais”, diz o professor responsável pelo projeto, Cincler Tibes.

“A comunidade tem um papel fundamental para este projeto. Somente com o envolvimento da sociedade, ele terá um impacto positivo nas pessoas”, conclui Cincler.

Quem quiser contribuir, pode ajudar de diversas formas: oferecendo oficinas, doando materiais, comprando produtos produzidos pelas mulheres atendidas pelo projeto ou empregando uma delas.

Com informações de assessoria de imprensa.

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram

Facebook Messenger