Estimação: Peixes ornamentais precisam de cuidados básicos

Cotidiano

Por: OCP News Jaraguá do Sul

quinta-feira, 04:00 - 16/06/2016

OCP News Jaraguá do Sul
Sem comida em excesso, cuidando com a temperatura e com o aquário é possível prolongar o tempo de vida dos peixes. Apesar de serem diferentes dos mamíferos, os animais aquáticos sentem frio, dormem e pedem atenção, afirma o aquarista André Weber, de 35 anos. “É comum no inverno esses animais não durarem muito tempo, pois as pessoas não se preocupam com a temperatura da água”, comenta Weber, que pode ser medida com um termômetro próprio para aquário. “A temperatura deve ser de 28°C no inverno”, acrescenta. Já no verão, o é ideal para o peixe é manter a água de acordo com o clima. Com comida em excesso, os peixes podem morrer cedo, por isso, é importante ficar atento à quantidade de ração. “Ele deve comer uma vez por dia ou no máximo três vezes, mas sempre em pequena quantidade”. Outro fator que diminui o tempo de vida do bichinho é a amônia presente no próprio aquário. “Quando se compra um aquário novo é importante deixar ele apenas com água por 30 dias, para que o cascalho crie uma bactéria que irá proteger o peixe, ou você pode sufoca-lo com as próprias fezes”, enfatiza. _EDU6965-2

Dicas ajudam a prolongar a vida dentro dos aquários

O peixe mais comum e um dos mais procurados, especialmente para crianças, é o beta que, por sinal, é carnívoro. “Para cuidar de um beta, não tem segredo, pois ele gosta de água parada, então, você não precisa comprar uma bomba de oxigênio”, diz o aquarista. Já para ter outras espécies, são necessárias condições diferenciadas. Para um peixe da espécie palhaço, por exemplo, também conhecido como Nemo, além dos itens já citados, é preciso de um sal especial vendido em agropecuárias, que deixa a água salgada. Rotina entre aquários Em um ambiente cercado de aquários de todos os tamanhos e tipos, peixes de todas as espécies e para todos os gostos, além de apetrechos para animais domésticos, André Weber passa os dias. Ele acorda às 7h30 da manhã e segue para a loja da família, na Ilha da Figueira, alegre e motivado para trabalhar com peixes de aquário. O amor de Weber pelos animais aquáticos começou há aproximadamente 12 anos, quando a família tinha apenas um aquário simples na loja. “Não era profissionalismo quando começamos, e eu fui pegando gosto pelo negócio da família”, comenta. O aquarista foi um autodidata, e enfatiza que tudo que aprendeu sobre o tema foi resultado de estudos. Weber está montando um aquário em sua casa, pois diz que “peixes são uma alegria, uma diversão e uma terapia”. A utilização de peixes com finalidade terapêutica existe desde 2006, mas não é praticada na região, e consiste na observação desses animais como forma de relaxamento.
×