O Governo do Estado ainda não tem previsão para liberar cerca de R$ 1 milhão necessários para a retomada das obras da ponte do Bananal. O prefeito de Guaramirim, Lauro Fröhlich, esteve em Florianópolis ontem em busca do repasse. “Ainda não tem a liberação, semana que vem ficou combinado que eles vão me dar informações. Não teve uma justificativa, mas como prefeito eu imagino as dificuldades que o Estado também passa. O rombo de Brasília atingiu a nação inteira”, comentou Fröhlich. Com esse recurso, de acordo com o prefeito, a construção paralisada há um ano teria continuidade imediatamente, com prazo de conclusão estimado para 12 meses. A estrutura ligará o bairro Bananal do Sul à rodovia BR-280, contendo 110 metros de comprimento e 12 metros de largura. Até o momento, somente uma pavimentação com pedras foi concluída para possibilitar o acesso dos caminhões à beira do rio. Dois pilares também foram instalados. “Ainda falta tudo”, lamenta o prefeito. A Araújo Construções, de Criciúma, foi a empresa licitada em julho do ano passado, pelo valor de R$ 3,8 milhões, sendo R$ 2,7 milhões provenientes do Fundo de Apoio aos Municípios (Fundam), do governo do Estado. Ao assinar a licitação, o município se comprometeu em repassar R$ 1,1 milhão com a garantia de suplementação do Estado em R$ 1 milhão. No ano passado, o governo sinalizou a liberação do recurso, porém o processo não foi finalizado devido o surgimento de duas notificações da Fatma (Fundação do Meio Ambiente). “O órgão levou 90 dias para encontrar a origem dessas ilegalidades, feitas em gestões passadas. Após serem identificadas, quitamos a dívida no início desse ano, período que coincide com uma recessão econômica do governo”, explica. O serviço já havia sido paralisado em decorrência das chuvas frequentes. Há duas semanas, conforme Fröhlich, o governador Raimundo Colombo se comprometeu a viabilizar o recurso. “A ponte será uma macro-obra de Guaramirim, trazendo desenvolvimento para o município e valorizando o Bananal, além de facilitar o deslocamento e desafogar o trânsito naquela região”, aponta.