Neste final de semana, o esqueleto de uma baleia da espécie baleia-de-bryde foi encontrado na praia do Uno, no litoral de São Paulo. A ossada mede cerca de quatro metros e pode ser de uma baleia que foi enterrada no mesmo local há 12 anos.

Os moradores que avistaram a carcaça compartilharam nas redes sociais fotos do esqueleto. Um deles, o pescador Marcelo Rodrigues, de 46 anos, contou que estava passeando pelo local quando avistou o esqueleto do animal na faixa de areia.

"Passo por ali quase todos os dias, mas naquele dia me deparei com aquilo tudo. Corri para casa, que fica perto, para buscar o celular e tirar fotos", disse. Segundo o pescador, a estrutura óssea encontrada mede, aproximadamente, quatro metros de comprimento.

Foto: Arquivo pessoal/Marcelo Rodrigues

De acordo com o biólogo marinho Douglas Rey dos Santos, que analisou as imagens do esqueleto, trata-se, sem dúvidas, de uma baleia.

"Apesar de parte da coluna estar enterrada, dá para perceber que são vértebras bem espessas do pedúnculo caudal de uma baleia", explica.

"Principalmente pelo fato das costelas , que ficam na coluna torácica, não estarem presentes e um osso separado ser muito semelhante ao quadril vestigial".

Segundo ele, o esqueleto deveria estar enterrado há muitos anos.

"Talvez a baleia morreu e ficou boiando por muito tempo antes do encalhe e soterramento", opina.

Foto: Arquivo pessoal/Marcelo Rodrigues

 

 

Baleia enterrada há 12 anos

O biólogo marinho Thiago Augusto do Nascimento, responsável pelo Aquário Municipal e também presidente do Instituto Ambiecco, foi acionado e afirmou que a ossada se trata de uma baleia. Ele levanta a possibilidade de que a ossada se tratar de uma Baleia-de-bryde de 14 metros que encalhou, já morta, naquela região em 2009.

"Quando apareceu esse esqueleto, eu lembrei desse encalhe. Não lembro de outro acontecido naquela região", contou.

Foto: Arquivo/Lelo Fotógrafo

Segundo Thiago Augusto, naquela época, essa baleia foi enterrada na região e conforme o passar dos anos a maré poderia ter levado a areia que cobria o animal. Ele diz também que no entanto, para ter certeza sobre a espécie da ossada e confirmar essa informação, seria preciso realizar análises e exames de DNA, devido ao estado de decomposição.

Por mais que a praia do Uno fica dentro da Estação Ecologica Jureia - Itatins, sob responsabilidade da Fundação Florestal, o Instituto Biopesca, uma das instituições executoras do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) e responsável pela gestão da praia onde a carcaça foi encontrada, e por esse motivo tem a autorização para atuar no local.