A Escola de Educação Básica Teresa Ramos de Corupá completou 81 anos na última quarta-feira (19).

A unidade foi fundada em 19 de maio de 1940, com o nome de Grupo Escolar "Teresa Ramos", em homenagem à mãe de Nereu Ramos, que na época era Interventor Federal.

Em 2020, uma série de atividades tinha sido planejada para comemorar os 80 anos da escola ao longo do ano. Em virtude da pandemia da Covid-19, todas as atividades presenciais foram suspensas.

Neste ano de 2021, as aulas presenciais retornaram em sistema híbrido (tempo escola, tempo casa), mas as atividades com aglomeração estão suspensas.

“Para comemorar a data neste ano, haverá compartilhamentos da história da escola através da página do Facebook, murais internos que resgatam a história da escola, lançamento de um concurso para a confecção da bandeira e brasão da escola e não poderia faltar, um bolo gigantesco feito com a colaboração dos alunos, serventes, professores e APP”, destaca o diretor Célio João Barbosa.

Foto: Divulgação.

Um dos símbolos da escola é a figueira (ficus), plantada no centro do pátio, que neste ano completa 64 anos. Ela representa força, grandeza e desenvolvimento.

Foi plantada em 21 de setembro de 1957, no Dia da Árvore, pelos alunos do Clube Agrícola "Alberto Torres", orientados pelo professor Waldemar Schultz. A muda de 25 cm foi adquirida do viveiro de plantas do Sr. Leopoldo Seidel.

A Escola Teresa Ramos é a única que oferece o ensino médio em Corupá e atende aproximadamente 500 alunos do 1º ao 3º ano.

As maiores conquistas deste ano foram a execução da obra e liberação do prédio que se encontrava interditado, instalação de torneiras elétricas com sensores nos banheiros dos alunos, sensores nos mictórios nos banheiros masculinos, instalações de secadores elétricos de mãos nos banheiros dos professores, aquisição de cinco notebooks para os professores usarem em sala para projetar as aulas no projetor multimídia.

Estrutura

A unidade escolar possui 15 salas de aula, todas equipadas com projetores multimídias, uma sala informatizada com lousa digital, ginásio de esportes, biblioteca, sala multifuncional, auditório e outras dependências.

A alimentação é servida por uma empresa terceirizada em que o cardápio é preparado por nutricionistas, totalizando aproximadamente 300 refeições diárias, nos três turnos.

Escola-piloto

Desde 2019, a escola Teresa Ramos também aderiu ao Novo Ensino Médio, implementado em 120 escolas-piloto de Santa Catarina. Aproximadamente 180 alunos do 1º ano do ensino médio diurno estudam nesta modalidade.

O modelo do novo ensino médio tem uma carga horária maior, currículo mais flexível organizado por áreas do conhecimento, no lugar de disciplinas. Esta modalidade é voltada para as necessidades, competências e habilidades essenciais a serem desenvolvidas pelo aluno.

Foto: Divulgação.

Segundo informações da Secretaria de Estado da Educação, no dia a dia dos estudantes, uma das principais mudanças é a carga horária, das atuais 800 horas para mil horas. As horas distribuem-se entre a Formação Geral Básica (mínimo de 1,8 mil horas nos três anos) e a Formação Específica via Itinerários Formativos, contemplando habilidades próprias a uma ou mais áreas de conhecimento ou formação técnica e profissional (mínimo de 1,2 mil horas nos três anos).

A Formação Geral encontra embasamento na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que propõe a organização curricular por áreas do conhecimento: Linguagens e suas tecnologias, Matemática e suas tecnologias, Ciências da Natureza e suas tecnologias e Ciências Humanas e Sociais Aplicadas.

História da Escola

A escola foi fundada em 19 de maio de 1940, com o nome de Grupo Escolar Teresa Ramos. O nome é uma homenagem à mãe do então Interventor Federal Dr. Nereu Ramos, presente no ato inaugural com demais autoridades. Nereu Ramos foi eleito governador, em 1935, sendo nomeado interventor em 1937, permanecendo neste cargo até 1945.

A primeira versão da escola tinha quatro salas de aula, portaria, gabinete de diretor, gabinete odontológico, cooperativa, sala para o museu. Na parte superior, um gabinete de Educação Física e no lado oposto ficava a cozinha.

Foto: Divulgação.

A primeira pintura do prédio era padrão da época: janelas e portas verdes, paredes externas amarelas e internamente todas as dependências de branco. O primeiro diretor e professor da escola foi Edmundo Santos. Em 1941, oficializou-se o Curso Primário Complementar, com duração de três anos, correspondendo a atual 5ª a 8ª série.

Em 21 de setembro de 1957, dia da árvore, foi plantada uma figueira, no centro do pátio, com auxílio dos alunos do Clube Agrícola "Alberto Torres", orientados pelo professor Waldemar Schultz, cuja muda de 25 cm, foi adquirida do Sr. Leopoldo Seidel. Esta árvore transformou-se no emblema (símbolo da escola), que expressa força, grandeza e desenvolvimento.

Foto: Divulgação.

A nomenclatura Escola Básica Teresa Ramos foi criada pelo decreto SEE (Secretaria de Educação do Estado) de 8 de fevereiro de 1971, nº 10.362. A mudança na nomenclatura deu-se em virtude da inclusão de todo o ciclo básico até a 8ª série.

Em 18 de abril de 1979, pelo decreto nº 7.405, Parecer 45, implantou-se na escola, o 2º Grau, com a habilitação Técnico em Contabilidade, passando a denominar-se Colégio Estadual Teresa Ramos. A primeira matrícula no 1º ano somou 157 alunos, mas apenas 48 alunos concluíram o curso em 1981.

A escola já ofereceu diversos cursos de 2º Grau: Técnico em Contabilidade, Técnico em Agropecuária, Magistério e Curso Integrado.

No decorrer destes 81 anos, passaram pela escola Teresa Ramos 22 diretores gerais e centenas de professores que colaboraram para o desenvolvimento cultural e educacional da comunidade corupaense.

Teresa Ramos

Teresa Fiuza Ramos é a patrona benemérita da Escola. Nasceu na cidade de Faxinal, São Paulo. Casou-se em Lages com Dr. Vidal José de Oliveira Ramos Júnior e desta união nasceram 14 filhos. Dedicou-se pela educação do estado. O terreno do Colégio Catarinense de Florianópolis foi doado por Teresa Ramos, pois no local existia uma chácara de sua propriedade. Faleceu no dia 22 de fevereiro de 1924.

Foto: Reprodução.

 

*Fonte: Secretaria de Educação de Corupá