A Defesa Civil de Santa Catarina divulgou mais detalhes sobre o tremor de terra percebido por moradores de Grande Florianópolis na manhã desta sexta-feira (13). Os centros de sismologia das universidades de Brasília (UNB) e de São Paulo (USP) informaram que o registro ocorreu por volta das 9h28min no horário de Brasília,  com magnitude de 3,6 graus na escala Richter (variação entre 0 à 10) e epicentro (do tremor) na margem continental, com distância aproximada de 35 km da costa catarinense. LEIA MAIS: Defesa Civil monitora efeitos do tremor em Florianópolis Conforme a escala Richter, o sismo que ocorreu na região é considerado de baixa magnitude, o que não oferece riscos secundários como a ocorrência de tsunamis. Segundos especialistas, a provável causa do tremor foi a acomodação da placa tectônica Sul Americana - localizada entre outras placas, com destaque para as de Nazca e Africana. A Defesa Civil Estadual, informou ainda que a instituição científica norte americana United States Geological Survey (USGS) também emitiu dados sobre o abalo das placas tectônicas desta manhã e atribui como epicentro, o município de Santo Amaro da Imperatriz. A instituição atribuiu menor magnitude do que as centrais brasileiras (3,2 na escala Richter). "Diante das divergências de informações entre as instituições brasileiras e norte americana, a Secretaria de Estado da Defesa Civil apura maiores detalhes sobre o ocorrido, afim de oferecer à comunidade científica e civil uma informação precisa e clara", esclareceu o órgão. A Defesa Civil destacou ainda que os tremores não são comuns na região Sul do Brasil e que o abaldo desta manhã foi o de maior magnitude nos últimos dois anos. Quer receber as notícias do OCP Florianópolis no WhatsApp? Clique aqui