Com a globalização e o aumento da competitividade de mercado, focar apenas em alguns departamentos da empresa e em metas individuais não geram resultados relevantes. No início da pandemia do Coronavírus, a indústria têxtil, por exemplo, foi uma das mais afetadas economicamente. Diante deste cenário, investir em novas oportunidades e em processos que geram redução de custos nos diversos setores da empresa são algumas opções que o segmento vem aplicando para aumentar a produção e capacidade de vendas.

Um exemplo de indústria que vem crescendo é a Huvispan Têxtil, empresa catarinense de tinturaria e acabamento para o setor têxtil. De acordo com o CEO da empresa, Cledson Boger, o investimento contínuo em maquinários, novas tecnologias e implementação de mapeamento de processos são alguns dos investimentos da empresa que resultam no crescimento em meio à pandemia e crise econômica que o país vem enfrentando.

Mapeamento de processos

A marca investiu no mapeamento de processos para melhorar os resultados e, com o auxílio do consultor, Marcos Cirne, da Qualytrail, realizaram o Lean Office, técnica utilizada para entender de forma clara e simples como uma unidade de negócio está operando, representando cada passo de operação dessa unidade em termos de entradas, saídas e ações nos setores administrativos.

De acordo com Tathiana Mielmiczuk Pettenuci, consultora da qualidade da Huvispan Têxtil, tudo começou observando no dia a dia várias oportunidades de melhorias que para serem aplicadas, precisavam de um entendimento maior de todos os processos da empresa. “Iniciamos com Kaizen - método que visa orientar as mudanças para melhoria contínua -, além de práticas pontuais e a implantação de 5S em toda a empresa, ou seja, senso de utilização, organização, limpeza, padronização e disciplina”, explica.

Com o mapeamento de processos, a empresa conseguiu identificar o que é feito internamente que não agrega valor, bem como os desperdícios, melhorias que podem ser feitas com ou sem investimentos e como isso pode trazer mais resultado para a empresa. “Já identificamos melhorias internas e definimos cerca de 130 ações que serão executadas no decorrer deste ano”, explica Tathiana.

Resultados

“Iniciamos o processo de desenhar o estado futuro, ou seja, como vai ficar o processo final com as melhorias implantadas para podermos mensurar em valores os resultados obtidos. Com isso, já identificamos que haverá redução de tempo nas atividades, diminuição de papéis impressos e melhoria na comunicação entre os setores”, explica.

A consultora da qualidade conta que somente com o mapeamento e revisão de processos, a Huvispan espera até o final de 2021 aumentar a capacidade do estoque em 84% sem necessidade de ampliação da estrutura física do galpão, apenas investindo na melhoria da verticalização do layout.

Além da aplicação do mapeamento de processos, a empresa reorganizou todos os setores internos implantando o 5S e todos os colaboradores foram treinados para manterem as boas práticas da ferramenta. “Outra novidade, é a “Semana Kaizen”, ação dedicada aos setores produtivos, no qual será aplicado o método Kaizen com o objetivo de melhorar os processos, identificar desperdícios e criar indicadores de acompanhamento”, destaca.

Investimentos em maquinários

Em 2020, a Huvispan também investiu em novos maquinários e ampliou a produção em 75%. “A capacidade produtiva da empresa passou de 400 para 600 toneladas de malha ramada e 100 toneladas de malha tubular, totalizando 700 toneladas por mês”. Boger conta que foi incluído um novo serviço de acabamento na empresa, a linha tubular. “Com isso, ampliamos nosso quadro de colaboradores, com a contratação de 36 novos colaboradores”, comenta.