O prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro, manifestou-se em suas redes sociais sobre o episódio envolvendo um vídeo erotizado reproduzido em sala de aula por um professor da rede pública municipal. O educador já foi exonerado. O caso ocorreu na Escola Pascoal Meller, no bairro Santa Augusta.

“Nós não permitimos, nós não toleramos, está demitido este, sei lá, profissional. Nas escolas do município, enquanto eu estiver de plantão, não vai acontecer esse tipo de atitude. Essa ‘viadagem’ na sala de aula nós não concordamos. Se os pais souberem de algo parecido que foi exposto para os seus filhos, por favor, entre em contato com o município de Criciúma, que o professor ou profissional que expôs, que apresentou esse tipo de vídeo, esse tipo de comportamento, inapropriado, será exonerado de forma imediata, sem chance de continuar sendo funcionário da Prefeitura de Criciúma”, criticou o chefe do Executivo.

Não é a primeira vez que Salvaro usa o termo “viadagem”. À época, causou bastante polêmica ao comentar, no Twitter, uma reportagem do Fantástico sobre ideologia de gênero, em 2017. Após, ele pediu desculpas por usar o termo, alegando que havia se excedido, mas que não concordava com a temática, por se católico e de família tradicional.

Arquivo / Reprodução

A vereadora Giovana Mondardo (PCdoB) também manifestou-se repudiando a atitude do prefeito.

“Um professor da rede pública de ensino apresentou o clipe Etérea do músico Criolo MC durante a aula de artes aos alunos do 9º ano. A prefeitura emitiu nota anunciando que o professor não faz mais parte do quadro de funcionários. É inaceitável a postura de um prefeito que além de constranger os professores e desqualificar a educação básica do município, se sinta no direito de cometer o crime de homofobia (Lei n. 7716/89, segundo entendimento do STF). NÃO TOLERAREMOS ISSO!!”, escreveu a parlamentar.

Nota de esclarecimento

O Governo Municipal de Criciúma, por meio da Secretaria de Educação, em nota, ainda esclareceu que a prática pedagógica de professores da rede de ensino é orientada a partir das Diretrizes Curriculares, por meio do Plano de Ensino Unificado. Esse plano reúne os conteúdos que deverão ser ministrados junto aos estudantes em cada ano letivo.

"Ressaltamos que o episódio recente, envolvendo conteúdo inapropriado em vídeo apresentado (sexualização) por um dos professores, além de não constar no Plano de Ensino da Rede, estando, portanto, em desacordo com a proposta do Conselho Nacional de Educação, não será tolerado pela Administração Municipal de Criciúma", constou.

A Secretaria de Educação ressaltou que as medidas cabíveis em relação ao assunto foram tomadas e o profissional não faz mais parte do quadro de professores da Rede Municipal de Ensino.

"Os pais que perceberem qualquer atitude semelhante podem fazer denúncia à Secretaria Municipal de Educação", orientou.