Em greve desde a última terça-feira (18), os servidores municipais afirmam que só vão sair da frente da prefeitura após serem recebidos pelo prefeito Udo Döhler.

Segundo o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Joinville (Sinsej) cerca de 1500 servidores aderiram a greve.

A direção do Sinsej protocolou quinto pedido de audiência com prefeito Udo Döhler, que segundo a entidade, nega atente-los para atender as pautas reivindicadas, que é a reivindicações da campanha salarial.

Uma comissão do sindicato afirmou que vai permanecer no gabinete até ser atendida.

Além disso, o Sinsej ressaltou a necessidade de conversar sobre o projeto de lei complementar nº 03/2020, que trata das mudanças do Ipreville e do aumento da alíquota de contribuição de 11 para 14%.

Em resposta ao documento, o prefeito afirmou que receberá o sindicato no dia 16 de março.

Para a presidenta do Sinsej, Jane Becker, a entidade não deve terminar a greve até ser recebida por Udo.

“Ficaremos aqui até sermos atendidos. Não atender os servidores é uma demonstração de total desrespeito com a categoria e com quem usa o serviço público na cidade”, afirma.

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram

Facebook Messenger