Estudantes da Educação de Jovens e Adultos (EJA), da rede municipal de ensino de Florianópolis, têm mais um motivo para frequentar as aulas. Além de concluírem os anos finais do ensino fundamental, terão a oportunidade de obter também um diploma de curso profissionalizante.

No Norte da Ilha, há uma parceria entre a Prefeitura de Florianópolis, por intermédio da Secretaria Municipal de Educação, e a Escola de Turismo e Hotelaria Canto da Ilha para a oferta do curso de informática. No Continente, em conjunto com o Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), os estudantes estão se especializando como auxiliar de padeiro.

As ações fazem parte do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos, o PROEJA.

Além de proporcionar às pessoas excluídas do processo de escolarização o resgate de seus direitos, a meta é que elas tenham acesso aos saberes tecnológicos que irão conduzi-las ao exercício de cidadania e de uma profissão.

Conforme o secretário de Educação, a união de esforços para oferecer os cursos traz excelentes dividendos para o estudante. “O aluno fica mais motivado”, assinala Maurício Fernandes Pereira, sabendo que também está sendo preparado para o mercado de trabalho.

Auxiliar de padeiro

Em parceria com o IFSC, os alunos da EJA Continente podem obter um diploma na área da panificação.

No IFSC, a turma iniciou com 40 estudantes das unidades da EJA localizadas na Escola Básica Almirante Carvalhal (Coqueiros), Biblioteca Barreiros Filho (Estreito), Centro de Educação e Evangelização Popular - CEDEP (Monte Cristo) e nas comunidades Chico Mendes e Ilha-Continente.

As aulas práticas são realizadas na segunda e na quarta-feira, das 14h às 17h, no campus do IFSC, em Coqueiros. À noite, os estudantes têm aula nas suas unidades, desenvolvendo pesquisas relacionadas ao curso, ampliando os conhecimentos.

Foram definidos dois professores mediadores, um do ensino fundamental e outro do ensino profissional, que acompanham presencialmente as atividades curriculares e reuniões de planejamento.

De acordo com o coordenador da EJA Continente I, Humberto Matos de Lima, os professores se orientam pelo plano de curso construído em parceria com o IFSC: problematizar com estudantes em sala e definir uma pergunta norteadora da pesquisa, que vai fazer a ligação entre o curso profissionalizante e o ensino fundamental.

“Nesse sentido, no levantamento de interesses podem aparecer assuntos relacionados com a história da panificação, fórmulas químicas do processo, manipulação e seleção de ingredientes, ou como montar uma padaria”, exemplifica Humberto.

Diego Pacheco, coordenador da EJA Continente II, explica que nas aulas noturnas os estudantes são incentivados a fazerem relações entre o que está sendo discutido durante as tardes no IFSC e as questões próprias do ensino fundamental. “Definimos problemáticas de pesquisas, debatendo temas de aplicação prática no curso profissionalizante, como percentagem, fração e unidades de medida”, finaliza.

Informática e Comunicação

Nas unidades da EJA do Norte da Ilha, à tarde, há aulas do curso “Informática e Comunicação” para duas turmas, das 13h30 às 17 horas, na Escola de Turismo e Hotelaria Canto da Ilha, que fica em Ponta das Canas.

Para a turma da noite, das 19h às 22 horas, de segunda a quinta-feira, eles ficam na Escola Básica Municipal Osmar Cunha, em Canasvieiras, e na sexta-feira, dirigem-se para a Escola de Turismo e Hotelaria.

A proposta pedagógica da EJA de Florianópolis trabalha de forma integrada com a educação profissional e seus conhecimentos específicos na área de informática e comunicação.

O processo de ensino-aprendizagem estimula a ampliação de leituras críticas de mundo, por meio da formulação de problemáticas de interesse e necessidades dos matriculados. Serão elaboradas diversas produções autorais no ambiente da cultura digital para construir um ambiente participativo e solidário em busca de novos conhecimentos. O currículo é construído em permanente diálogo entre educadores e educandos e o planejamento das atividades é coletivo, frisa a coordenadora do Núcleo Norte II da EJA, Iara Proença de Souza.

Durante o curso, destaca a professora,  serão desenvolvidas atividades pedagógicas diversificadas, na escola e fora dela, através das saídas de estudo.

Para ela, iniciativas como essa consolidam o direito à educação àquelas pessoas com 15 anos de idade ou mais que não tiveram, por diversos motivos, condições de terminarem seus estudos do ensino fundamental.

Matrículas estão sempre abertas

Na Educação de Jovens, Adultos e Idosos, o estudante pode se matricular durante qualquer período do ano. Para informações, é só o interessado ligar para 3212-0925 ou procurar a escola mais próxima de sua casa ou de seu trabalho.